A Delicadeza do Amor por Melhor Poema

Esse é mais um filme cúti-cúti da Amelie PoulainAudrey Tautou, cuja personagem tem que retomar a vida após a morte do marido (também cúti-cúti, diga-se de passagem). Primeiro, ela se joga no trabalho, até ouvir comentários indiscretos dos colegas e acordar para a vida.

 

Se vc ainda não viu o filme, pare de ler AGORA.

Se já viu, também deve ter se encantado pelo sueco desajeitado e o doce poema que ele constrói no final:

Eu caminho pelas várias idades de Nathalie. Ela provavelmente se escondia atrás da árvore aos 6 anos. Quando adolescente, parou com essas brincadeiras e passeava pelas rosas em pensamentos profundos. Depois, uma jovem mulher sonhou acordada neste banco. François foi atrás dela e eles se amaram.  E ela se viu sozinha. Ele nunca mais estaria ali.  Sua avó nada podia fazer para consolá-la.  

Ao caminhar por aqui, eu ando sobre sua dor. E neste local, no coração dessas Nathalies é onde vou me esconder. 

Entre Dois Amores por Melhor DR e Melhor Poema

Isso é uma DR de alto nível…

Karen: Why is your freedom more important than mine?

Denys: It isn’t and and I’ve never interfered with your freedom.

Karen: No. I’m not allowed to need you. Or rely on you or expect anything from you.

I’m free to leave.But I do need you.

Denys: You don’t need me.  If I die, will you die? You don’t need me.You’re confused. You’ve mixed up need with want. You always have.

Karen: My God. In the world that you would make, there would be no love at all.

Denys: Or the best kind. The kind we wouldn’t have to prove.

Karen: You’ll be living on the moon then.

Denys: Why? Because I won’t do it your way? Are we assuming there’s one proper way to do all this? Do you think I care about Felicity? Do you think I’ll be involved with her?

Karen: No.

Denys: Then there’s no reason for this.

Karen: If she’s not important… why won’t you give it up? I have learned a thing

that you haven’t.  There are some things worth having… but they come at a price,

and I want to be one of them. I won’t allow it.

Denys: You have no idea the effect that this language has on me.

Karen: I used to think that there was nothing that you really wanted…but that’s not it, is it?

You want to have it all.

Denys: I’m going (…) and she can come or not.

Karen: Then you’ll be living elsewhere.

CLAP! CLAP! CLAP!

E tem ainda o poema (se você não viu o filme, não veja esse trecho), de A.E. Housman:

Em inglês:

“The time you won your town the race /We chaired you through the market-place; /Man and boy stood cheering by, /And home we brought you shoulder-high…

Smart lad, to slip betimes away /From fields where glory does not stay /And early though the laurel grows /It withers quicker than the rose…

Now you will not swell the rout /Of lads that wore their honours out, /Runners whom renown outran /And the name died before the man…

And round that early-laurelled head /Will flock to gaze the strengthless dead, /And find unwithered on its curls /The garland briefer than a girl’s”.

Now take back the soul of Denys George Finch Hatton, whom You have shared with us. He brought us joy…we loved him well. / He was not ours. / He was not mine.

Em português:

 “Quando o corredor entrou na cidade vencedor, nós saudamos o desfilar da sua vitória. Homens e meninos em euforia, ao carregálo para casa em ombros de alegria. Jovem inteligente, que se foi rapidamente dos campos onde a glória não dura para sempre.

E embora o louro como temporão cresce, antes de uma rosa fenece. Agora não  mais pertence ao grupo dos jovens cuja honra se acabaria. Corredores cuja fama os superara e o nome morrera antes do homem.

Os galhos de louro temporão em círculo juntar-se-ão  para a morte inerte admirar e em suas dobras encontrar incólume uma grinalda tão efêmera quanto a de uma menina”.

Agora receba de volta a alma de Denys George Finch Hatton, que conosco repartiste. Ele nos trouxe alegria. E o amamos muito. Ele não era nosso. Ele não era meu.

PS1: Meryl e Bob estavam tão lindos nesse filme, né?

PS2: Entre Dois Amores causou no Oscar, levando 7 estatuetas, incluindo melhor diretor (Sidney Pollack) e melhor filme.

Invictus por Melhor Tea Time e Melhor Poema

A primeira coisa que você precisa saber é que todos os vídeos desse post, com exceção do trailer, não foram incorporados. Dessa forma, se você não viu o filme nem gosta de spoilers, não terá tentação alguma.

É claro que Invictus  estava destinado ao sucesso – quem ousaria duvidar de um filme com Clint Eastwood na direção e Morgan Freeman e Matt Damon nos papéis principais?

 Só que é mais que isso.

Invictus não é só para quem gosta de cinema e uma história bem contada. É para quem é apaixonado por História, para quem vibrou com a trajetória desse líder rebelde, para quem luta pela liberdade, igualdade e democracia.

Invictus é sobre superação, perdão e reconciliação.

 I was thinking how a man could spend thirty years in prison and come out and forgive the men who did it to him…

Mas Invictus é também para quem é apaixonado por esporte, vibra como hooligan, gosta de heróis.

Do you hear? Listen to your country. 7 Minutes. 7 Minutes. Defense. Defense. Defense. This is it! This is our destiny! 

Invictus é sobre liderança e sobre inspiração. E são elas que fazem aquele chá da tarde tão especial.

We need inspiration because, in order to build our nation, we must all exceed our expectations.

E de onde vem Invictus

Invictus é o nome de um poema, escrito pelo poeta inglês William Ernest Henley.  Não vou te contar a ligação da obra com o filme, mas não posso deixar de dividir o texto:

Out of the night that covers me,
Black as the pit from pole to pole,
I thank whatever gods may be
For my unconquerable soul.

In the fell clutch of circumstance
I have not winced nor cried aloud.
Under the bludgeonings of chance
My head is bloody, but unbowed.

Beyond this place of wrath and tears
Looms but the Horror of the shade,
And yet the menace of the years
Finds and shall find me unafraid.

It matters not how strait the gate,
How charged with punishments the scroll,
I am the master of my fate:
I am the captain of my soul.

PS1: Para mim, o filme foi inspirador e eu já estou louca para ver de novo.

PS2: Esse é o verdadeiro Nelson Mandela, …

….e no filme é dele essa célebre frase: Forgiveness liberates the soul. It removes fear. That is why it is such a powerful weapon.

PS3: Morgan é o produtor executivo do filme e teve vários encontros com Mandela para compor o personagem. Anos antes, o próprio ex-presidente havia confidenciado que Freeman seria a escolha ideal.

PS4: Danny Glover e Sidney Poitier, porém, já interpretaram Mandela em filmes para TV.

PS4: Esse é o verdadeiro François Pienaar

…e essa é uma frase/cena dele que eu adoro:  Everybody takes a beer. A toast … to the taste of defeat. Drink it. Remember it. And promise yourself never to taste it again.

PS5: O prometido trailer:


 

O Leitor por Melhor Poema

The_Reader_Kate_Winslet-744095

I’m not frightened. I’m not frightened of anything. The more I suffer, the more I love. Danger will only increase my love. It will sharpen it, forgive its vice. I will be the only angel you need. You will leave life even more beautiful than you entered it. Heaven will take you back and look at you and say: Only one thing can make a soul complete and that thing is love.

Dez coisas que eu odeio em você por Melhor Poema e Melhor Versão

10-things-i-hate_420

Eu fiquei em dúvida se esse filme deveria receber duas indicações ou uma só. Também titubiei se elas deveriam ser postadas separadamente ou de uma vez só. Bati o martelo, quando fui assisti-las. Eu simplesmente pre-ci-sa-va compartilhar essas cenas logo.

A primeira indicação é pelo poema corny (essa palavra não é muito boa?) que a encrequeira Kat cria para se declarar para o maloqueiro Patrick.

A segunda é para a versão de “Can’t take my eyes off of you“. (Quem diria, Zapa, que a gente teria algo em comum com um Heath Ledger moreno e em início de carreira?)

PS1:  O filme de 1999 foi inspirado em A Megera Domada, de William Shakespeare. Há várias referências ao longo do filme –  a começar pelo nome dos principais personagens (Kat, Bianca e Patrick Verona) e do colégio (Pádua).

PS2: A Megera Domada também foi adaptada para o cinema. A Katharina de gênio forte foi interpretada por Elizabeth Taylor, enquanto o ator Richard Burton, que  viraria marido da diva do Michael Jackson, fez o corajoso Petrucchio.

Em Seu Lugar por Melhor Cocotas e Melhor Poema

In-Her-Shoes-movie-05

Baseado no livro de Jennifer Weiner, Em seu Lugar (In her shoes) reproduz com maestria um momento cocota*. E é claro que isso só foi possível graças ao talento inegável de Toni Collette.

Na cena em questão, a CDF Rose consegue um date com o colega da firma por quem é apaixonada. Enquanto o bonitão dorme, ela liga para a melhor amiga e ainda fotografa o cara deitado ao seu lugar para ninguém ter dúvidas (inclusive, ela mesma) do acontecido.

Infelizmente essa cena não está disponível no youtube (falha gravíssima dessa rede social!!). Logo, veja o trailer aqui e alugue djá a pérola!

 

*Momento cocota = a rivalidade feminina é inegável, mas nas verdadeiras amizades há também aquele delicioso momento de cumplicidade. Sorry, guys, talvez na próxima encarnação vocês entendam.

 

P.S 1: Shirley MacLane, irmã de Warren Beatty (sim, na vida real) e ex-guru (quem lembra dos best-sellers que ela escreveu?), recebeu uma indicação ao Globo de Ouro pela atuação nesse filme.

PS.2: O bonitão da história é o mesmo ator que interpreta o ex-marido de Susan Mayer, de Desperate Housewives.

PS3: É claro que um outro grande momento desse filme é a leitura do poema de E.E.Cummings.

I carry your heart with me (I carry it in my heart) I am never without it (anywhere I go you go, my dear; and whatever is done by only me is your doing, my darling). I fear no fate (for you are my fate, my sweet). I want
no world (for beautiful you are my world, my true) and it’s you are whatever a moon has always meant and whatever a sun will always sing is you.  Here is the deepest secret nobody knows (here is the root of the root and the bud of the bud and the sky of the sky of a tree called life;which grows
higher than the soul can hope or mind can hide) and this is the wonder that’s keeping the stars apart. 
I carry your heart (I carry it in my heart)

A tradução:

Carrego seu coração comigo
Eu o carrego no meu coração
Nunca estou sem ele
Onde eu for, você vai, minha querida
Não temo o destino
Você é meu destino, meu doce
Não quero o mundo pois, beleza
Você é meu mundo, minha verdade
Eis o segredo que ninguém sabe
Aqui está a raiz da raiz
O broto do broto
E o céu do céu
De uma arvore chamada vida
Que cresce mais do que a alma pode esperar
Ou a mente pode esconder
E esse é o prodígio
Que mantém as estrelas à distância
Carrego seu coração comigo
Eu o carrego no meu coração.