Ranking: 10 filmes Anti-Dia dos Namorados

É isso aí, Marilyn, my dear. Neste blog, solteiro não fica deprê por causa de Dia dos Namorados. Nós agradecemos por tudo que nós somos.  Nós celebramos a vida e a independência.

 

Portanto, no próximo domingo (12/06),  esqueça os corações e filmes melosos. Crie um clima de romance para você, acompanhado ou não por amigos.

Esses 10 filmes provam que não só a vida a dois vale a pena:

10. Clube das Desquitadas.

 

Entende do que eu tô falando?

 

9. Sob o Sol de Toscana

Porque é possível (aprender a) viver sozinho.

8. Yentl

Correr atrás do que realmente importa.

7. Elizabeth

Chegar looooonge.

 

6.  Shirley Valentine

Descobrir-se. Redescobrir-se.

 

5. As Férias da Minha Vida

Arriscar-se, ousar realizar sonhos, mesmo que eles não sejam do jeitinho que imaginava.

 

4. O Sorriso de Monalisa.

Quebrar paradigmas (por mais difíceis que sejam).

 

3. UP

Viver inesperadas aventuras com novos amigos.

 

2. Thelma & Louise


Aproveitar os velhos.

 

1. Curtindo a vida adoidado

Entendeu?

PS1: Com colaboração de Cris Camarena.

PS2:  Confira as indicações que Curtindo a Vida Adoidado, Sob o Sol de Toscana e Shirley Valentine já receberam nesse blog.

PS3: Faltou algum filme? Deixe o seu comentário.

Quando Me Apaixono por Melhor DR e Melhor Lição

E, de repente, Helen Hunt reaparece. Deixa a maternidade de lado para dedicar-se a um roteiro baseado em um romance de Elinor Lipman.

Acabou, na verdade, assumindo a direção e o papel principal (esta última função por influência de Warren Beatty, segundo contou ao NY Times).

O elenco ainda conta com Betty Midler,

Matthew Broderick (e sua voz de ratinho),

Colin ‘Mr Darcy’ Firth

e Salman Rushdie, que interpreta um ginecologista (!!).

Then She Found Me foi lançado em 2007 , durante o Festival de Toronto. Por um motivo qualquer, chegou agora aos cinemas brasileiros e em pouquíssimas salas.

Uma pena!

Porque, Quando Me Apaixono (sim, Then She Found Me virou isso no Brasil), é um daqueles filmes despretensiosos e gostosos; uma boa surpresa, que vale cada centavo.

Além de apreciar o Mr Darcy, eu gosto, particularmente, da história que a April conta…

There’s a jewish story, an ordinary jewish joke, a father was teaching his little son to be less afraid, to have more courage. Jump, he said, and I’ll catch you. And the little boy trusted him and the little boy jumped. And when his father caught him, he felt filled with love and when he didn’t he was filled with something else, something more…life. 

…e da DR beeeeem pé-no-chão com o Frank:

April Epner: I know what I did to you, to you in particular. Kinda worst nightmare kind of thing, right? I knew that. Even at the time I knew that.
Frank: What else?
April Epner: I’ll do it again, I will, I’ll hurt you again and again. Not like that, you’d have to leave me if I hurt you like that. If we were together you would leave me if I hurt you like that again, wouldn’t you?
Frank: Yes. Yes, I would.
April Epner: Good. But I’ll hurt you in other ways, little ways, I won’t mean to but I will. And sometimes I will mean to.
Frank: This is quite an offer you’ve worked out.
April Epner: You’ll hurt me too, you know. You’ll hurt me and change on me, you might even leave me after you promise you won’t, how about that?
Frank: I wouldn’t.
April Epner: But you might.
Frank: But I wouldn’t.
April Epner: But… you might.
Frank: Yeah, I guess I might.

Afinal, quem precisa de promessas impossíveis?

Mulheres…O Sexo Forte por Melhor Frase

Esse remake tinha tudo para dar certo (história conhecida, elenco bom…), mas foi um fracasso. E o grande problema (pelo menos, para mim) tem um nome: Meg Ryan.

Eu não consigo olhar para ela e não pensar: onde ela estava com a cabeça??? E quem é o imbecil do cirurgião plástico que detonou um dos rostos mais meigos do mundo???? POR QUE, MEU DEUS, POR QUE ?????

Depois de colocar isso para fora, eu consigo evocar meu lado Pollyana e achar dois pontos positivos:

1) A Annette Bening, que é linda de viver SEMPRE!

2) E uma frase dita pela  personagem de Bette Midler:

L’amour, l’amour, in the end, that’s all there really is.

Noivas em Guerra por Melhor Constatação

Noivas em Guerra rende uma ótima Sessão da Tarde.

Quem brilha mesmo é Marion St. Claire, personagem de Candice Bergen, …

… que constata:

It was quite a wedding and as I stood there watching I realized something I’d forgotten a long time ago. Sometimes in life there really are bonds formed that can never be broken. Sometimes you really can find that one person who will stand by you no matter what. Maybe you will find it in a spouse and celebrate it with your dream wedding. But there’s also the chance that the one person you can count on for a lifetime, the one person who knows you sometimes better than you know yourself is the same person who’s been standing beside you all along.

PS1: Para mim, a Candice ainda é a Murphy Brown.

PS2: A gente adora a Anne Hathaway até laranja né?

PS3: Eu sei que o Colar de Pérolas seria o local mais adequado para essa discussão, mas não é lindo o Vera Wang da Kate