Frame: 9 Décadas de Danças nos Filmes

 

Confira a lista de filmes:

Os 4 Cavaleiros do Apocalipse (1921); Rua 42 (1933); Voando para o Rio (1933); A Mascote do Regimento (1935); O Regimento (1935); Ritmo Louco (1936); Um Dia nas Corridas (1937); O Mágico de Oz (1939); Fantasia (1940); Hellzapoppin’ – (1941); Tempestade Tropical (1943); Broadway Rhythm (1944); Marujos do Amor (1945); A Felicidade Não se Compra (1946); O Sapatinhos Vermelhos (1948);  Núpcias Reais (1951); Cantando na Chuva (1952); Os Homens Preferem as Loiras (1953); Sete Noivas para Sete Irmãos (1954); It’s Always Fair Weather (1955); Oklahoma! (1955); Gatilho Relâmpago (1956); O Prisioneiro do Rock (1957); Cinderela em Paris (1957); El bolero de Raquel (1957); Damn Yankees (1958);  Baladas em Nova York (1958); A Noviça Rebelde (1959); Nunca Aos Domingos (1960); West Side Story (1961); Band of Outsiders (1964); My Fair Lady (1964); Zorba, O Grego (1964); Mary Poppins (1964); Os Produtores (1968); O Jovem Frankenstein (1974); The Rocky Horror Picture Show (1975); Os Embalos de Sábado à Noite (1977); Grease (1978); O Show Deve Continuar (1979); Apertem os Cintos…o Piloto Sumiu! (1980); Os Irmãos Cara de Pau (1980); Cowboy do Asfalto (1980); Fame (1980); Flashdance (1983); Negócio Arriscado (1983); Monty Python’s – O Sentido da Vida (1983); Footloose (1984); A Chorus Line – Em Busca da Fama (1985); Girls Just Want to Have Fun (1985); Um Rosto na Noite (1985); O Garoto do Futuro (1985); Curtindo a Vida Adoidado (1986); Dirty Dancing (1987); A Pequena Sereia (1989); A Bela e a Fera (1991); Vem Dançar Comigo (1992); Perfume de Mulher (1992); Cães de Aluguel (1992); A Família Adams 2 (1993) Swing Kids (1993); Pulp Fiction (1994); True Lies (1994); O Casamento de Muriel (1994); Showgirls (1995); Dança Comigo? (1997); Romy e Michele (1997); Titanic (1997); Dança Comigo (1998); Ela é demais! (1999); Caindo na Estrada (2000); Sob a Luz da Fama (2000); Billy Elliot (2000); No Balanço do Amor (2001); Shrek (2001); Moulin Rouge! (2001); Chicago (2002); Grind – Correndo contra a Vida (2003);  Kung Fusão (2004); Napoleon Dynamite (2004); You Got Served (2004); Dança Comigo? (2004); Starsky & Hutch – Justiça em Dobro (2004); Um Salão do Barulho (2005); Sr & Sra. Smith (2005); O Virgem de 40 Anos (2005); O Balconista II (2006); Pequena Miss Sunshine (2006); Ela Dança, Eu Danço (2006); Vem Dançar (2006); Hairspray (2007); Homem-Aranha 3 (2007); Encantada (2007)
90. Stomp the Yard (2007); Superbad – É Hoje! (2007); Agente 86 (2008); Fazendo Acontecer (2008); Quem quer ser um milionário? (2008); Ela Dança, Eu Danço 2 (2008); Trovão Tropical (2008); (500) Dias com Ela (2009); O Mundo Imaginário do Doutor Parnassus (2009); Toy Story 3 (2010) Cisne Negro (2010).

 

Anúncios

Billy Elliot por Melhor Paixão

Billy Elliot sempre foi para mim o filme do garotinho que troca as luvas de boxe pela sapatilha.  A cena que me vinha à cabeça era sempre a do pequeno Jamie Bell tentando aprender os movimentos, principalmente as piruetas.

Recentemente, tive a oportunidade de assistir ao musical, que ganhou 10 Tonys, o Oscar do teatro (leia notícia completa aqui). E o espetáculo é divino, principalmente na cena, se não me engano no fim do primeiro ato, em que Billy se imagina um bailarino profissional.

Nessa hora, os movimentos do garotinho são repetidos com excelência por um Billy adulto e ao som de…Tchaikovsky, claro!

Juro, ao vivo, é de chorar. Muito emocionante! Muito lindo! Essa é, aliás, uma das poucas cenas criadas especialmente para o musical, que me lembrou outro momento memorável –  aquele em que o garoto de apenas 11 anos descreve o que a dança significa para ele.

Don’t know. Sorta feels good. Sorta stiff and that, but once I get going… then I like, forget everything. And… sorta disappear. Sorta disappear. Like I feel a change in my whole body. And I’ve got this fire in my body. I’m just there. Flyin’ like a bird. Like electricity. Yeah, like electricity.

PS: A foto que ilustra esse post é minha. Trata-se da fachada do Teatro Victoria Palace, onde Billy Elliot está em cartaz em Londres.

PS2: Quem aí lembrava que a Julie Walters, ou Molly Weasley, era a professora de balé?

PS3: No Oscar de 2001, Billy Elliot recebeu três indicações: melhor atriz coadjuvante, melhor diretor e melhor roteiro. Não venceu em nenhuma categoria.

PS4: Jamie Bell interpreta John Rivers em Jane Eyre, filme comentado nesse post. Ele é o protagonista de As Aventuras de Tintim, cuja estreia está prevista para 21 de dezembro.

Frame: LEGO e os 10 indicados a MELHOR FILME

Cisne Negro

127 Horas

Minhas Mães e Meu Pai

O Discurso do Rei

A Rede Social

A Origem

O Vencedor

Toy Story 3

Bravura Indômita

O Inverno da Alma

Fonte: Next Movie

 

Frame: Sérgio Rizzo decifra o Oscar

Este blog foi acompanhar o encontro comandado pelo jornalista, crítico de cinema e professor Sérgio Rizzo na Casa do Saber.  Não dá para compartilhar os detalhes sórdidos da conversa de quase 3 horas, mas vale dar atenção a alguns pontos:

Curiosidades

Eu não sabia e talvez você também não saiba que:

  • “O Oscar é somente o rabo que abana o cachorro”, disse Rizzo. As atividades da Academia vão além da maior premiação de cinema (norte-americano) do mundo.  Ela possui uma cinemateca, promove pesquisas e possui uma área de educação que, entre outras coisas, oferece um guia para professores sobre artes e ciências cinematográficas. Veja no site.
  • A Academia foi fundada em 1927 por 36 membros, cujo objetivo inicial era fazer desta entidade uma central única, um sindicato. A presença de produtores e executivos da indústria esvaziou esse propósito e daí surgiram as outras associações específicas, como a de diretores, roteiristas etc, cada um defendendo o seu pão de cada dia.
  • Hoje a Academia não se mete em assuntos trabalhistas, políticos e econômicos, focando-se em artes e ciências.
  • Em 11/05/1927, 230 profissionais participaram do jantar, que custou 100 dólares por cabeça e reuniu os primeiros membros da entidade sem fins lucrativos. A Academia surgiu, aliás, com cinco grupos disntintos: diretores, roteiristas, atores, produtores e técnicos.
  • A primeira entrega do Oscar foi feita em maio de 1929.
  • Para ser indicado, o filme precisava : 1) ser lançado em LA; 2) ser lançado entre 1º de agosto e 31 de julho. Essa regra, porém, sofreu sua primeira alteração na 6ª cerimônia; hoje restringe-se a filmes lançados entre 1º de janeiro e 31 de dezembro.
  • A história do Oscar divide-se em dois períodos: de 29 a 51, quando os eventos eram privados;  de 52 aos dias de hoje. A premiação é hoje um programa de TV, atingindo pessoas em todas as partes do mundo.  Uma única alteração foi feita: antes a cerimônia acontecia às segundas.
  • A Academia conta hoje com 6,5 mil membros, dos quais cerca de 5,7 mil têm direito a voto.  Não se sabe, porém, quem são eles. “Tem que pedir para o nosso amigo do WikiLeaks”, brincou Rizzo.
  • Os 6,5 mil membros estão divididos em 15 grupos (não só aqueles 5 originais). Nem os Relações Públicas foram esquecidos.
  • Antes qualquer indicado ao prêmio tornava-se membro; hoje o profissional precisa ser convidado.
  • Entre os brasileiros que fazem parte desta seleta lista estão Bráulio Mantovani, Waltinho Salles e Fernanda Montenegro.
  • No primeiro ano, os vencedores do Oscar foram anunciados três meses antes da cerimônia de entrega. Do segundo ano até a década de 40, a imprensa era informada com antecedência sobre quem eram os ganhadores com a condição de que  a divulgãção da lista só ocorreria horas após o início da premiação.  A mudança ocorreu porque o LA Times  furou o embargo. Desde então,os jornalistas só ficam sabendo quem são os vencedores juntos com o público.
  • Vários fatores implicam na escolha dos indicados – inclusive, a época em que o filme é lançado e que favorece mais a lembrança por parte dos membros da Academia. É o velho recall.

O 83º Oscar

  • Reúne 56 indicados, sendo que 10 obras foram indicadas a melhor filme (retorno ao formato original).
  • Entre as 50 maiores bilheterias do ano, apenas 7 estão entre os indicados a melhor filme.  Sucesso de público, Alice, Homem de Ferro, Eclipse e Harry Potter, por exemplo, ficaram de fora. Para Rizzo, isso deixa claro que o Oscar valoriza mais as artes e a ciência. É, porém, uma premiação sobre o universo da indústria norte-americana e não sobre cinema.
  • Dos 10 indicados, Rizzo aposta em Bravura Indômita e A Rede Social. O primeiro faz uma releitura de um faroeste, enquanto o segundo é uma deferência ao Fincher, que é odiado em Hollywood. Para ele, o filme é tão bem organizado que as pessoas não percebem o trabalho fantástico feito pelo diretor.
  • Cisne Negro deve garantir o Oscar a Natalie Portman. A narrativa, entretanto, não o surpreendeu tanto, pois segue a linha já apresentada por Darren Aronofsky em Pi e Réquiem para Um Sonho. Ele não vai além.
  • A presença de Inverno da Alma  na lista surpreende por valorizar um registro sombrio da sociedade americana, algo do qual Hollywood se afastou e que remete mais aos anos 70.
  • O Vencedor também segue esse mote, principalmente ao mostrar aquela família disfuncional. Rizzo ressaltou o trabalho de David Russell, com uma direção de arte feita para enfeiar, com cortes bruscos que remetem a pequenos golpes. Aposta, ainda, que o filme deve garantir o Oscar de melhor ator coadjuvante a Christian Bale.
  • Embora trate de um tema atual, Minhas Mães e Meu Pai é mediano, conservador e com fortes valores de família.
  • Ignorado como melhor diretor, Nolan marca presença nas categorias de melhor roteiro e filme por A Origem. A indicação nesta última categoria é, para Rizzo, um reconhecimento da Academia ao trabalho dele.  É sabido que  a entidade torce o nariz para diretores com um portfólio mais comercial. Fizeram isso, por exemplo, com Spielberg. “Christopher Nolan precisa fazer a sua Lista de Schindler”, lembrou o crítico.
  • 127 Horas é um bom trabalho de Doyle, mas que não merece o Oscar. Basta o reconhecimento.
  • A indicação de Toy Story 3 como Melhor Filme é uma tentativa de atrair a atenção de diferentes públicos. A categoria certa desse filme é a de melhor animação. E é nela que deve garantir a sua estatueta.
  • O Discurso do Rei é um bom filme, mas poderia bem ser uma peça de teatro, pois é dependente do trio de atores. Prova disso, lembra Rizzo, é que a obra perdeu o BAFTA para A Rede Social justamente porque o filme tem mais apelo para quem tem um distanciamento, isto é, não conhece a história a fundo como os britânicos.  Colin Firth, porém, não deve sair com as mãos abanando como no ano passado.

CLAP! CLAP! CLAP!

No final do encontro, Rizzo contou que, para ele, A Ilha do Medo deveria estar entre os cinco melhores filmes do ano. E eu concordo tanto com isso que fiquei até com vontade de dar um upa nele. 😉

Curto, mas bom encontro.

Bora ver o Oscar!

A Rede Social por Melhor Babaca e Melhor Fora

Todo mundo já falou do filme do facebook, incluindo a gente aqui, e do Golden Globe Awards. Mas faltou duas indicações.

No último domingo, A Rede Social foi vencedor  de melhor Filme Drama. Desbancou  A Origem (Inception), Black Swan, The Fighter e The King’s Speech (que tem tudo para ser o preferido dos indicados). Minhas Mães e Meu Pai (The Kids are all right)  levou na categoria Melhor Comédia ou Musical. O Golden Globes Awards  faz categorias separadas para drama e comédia.

O filme  é bom, tem uma trilha sonora envolvente (outro prêmio que levou), foi indicado em 6 categorias e levou 4, incluindo Melhor Direção para David Fincher (Clube da Luta, Seven) e, como pregou nosso amigo Carlos Eduardo Bacellar aqui, foi considerado o filme do ano.

Mas faltou a indicação de Melhor Babaca ou Maior Babaca. Pelo menos esse foi o sentimento do @osindicados por Mark  Zukerberg, o criador do facebook, representado pelo ator Jesse Eisenberg, também  indicado ao prêmio (Colin-Mr-Darcy-Firth ganhou).

Mark é um gênio, porém um babaca, como bem lembra esse spoiler essa cena abaixo, que leva outra indicação, a de Melhor Fora.

You are probably going to be a very successful computer person. But you’re going to go through life thinking that girls don’t like you because you’re a nerd. And I want you to know from the bottom of my heart that, that it won’t be true. It will be because you’re an asshole.

Abs,

@abelardobarbosa

Frame: Natalie Portman além do Cisne Negro

E este blog foi atrás do que TODO MUNDO QUER SABER:  quem é, afinal, o pai do filho de Natalie Portman?

A belezinha atende pelo nome de Benjamin Millepied, um francês de 33 anos,  principal dançarino do  New York City Ballet e coreógrafo de Cisne Negro.  Corre a boca pequena que o moço deixou a namorada para ficar com Natalie, por quem era obcecado.

Convenhamos: além de linda e talentosa, ela também tem bom gosto, não?

Futricas à parte, é certo que em 2011 teremos uma overdose de Natalie.

Além de Black Swan e Sexo Sem Compromisso,  com Ashton Kutcher (clique aqui), a atriz protagoniza também  The Other Woman, cujo trailer acaba de cair na internet.

 

 

Nada mal, né?