Frame: Parade’s End

Você reconhece essa moça da foto? É Rebecca Hall, a Vicky, de Vicky Cristina Barcelona. Ela é uma das protagonistas de Parade’s End, que estreia dia 24 no Reino Unido.

A produção é a grande aposta da BBC para roubar a audiência e fãs de Downton Abbey, que contará com Shirley McLaine na próxima temporada.

 

A diretora, Susanna White, e os atores desdenham a série da ITV, dizendo que Parade’s End não é uma novela, mas uma “televisão que exige de você – se você for embora para fazer uma xícara de chá, você estará perdido “, segundo declaração de White à revista de cultura do Sunday Times.

A BBC investiu pesado: firmou parceria com a HBO, escalou 110 atores em 246 sets diferentes e trouxe alguns nomes de peso, como Rupert Everett, Anne-Marie Duff, Rufus Sewell Benedict Cumberbatch.

O período é o mesmo – 1912, era Edwardiana, I Guerra Mundial.  Parade’s End terá cinco horas de duração e, segundo o ST, mais parecerá um filme.

 

Parade’s End é baseado na obra de Ford Madox Ford.

Anúncios

Sex and The City por Melhor Lembrete

Passa ano, entra ano e Sex and The City não perde a majestade. É impressionante como Candace Bushnell  conseguiu captar a alma feminina e, de lambuja, ainda nos lembrar de algumas coisas. É praticamente um oráculo.

Embora já tenha recebido outra indicação aqui nesse blog, o filme Sex and The City não é tão genial quanto a série. Tem, porém, seus momentos. Recentemente, uma amiga me lembrou do que Miranda disse para Carrie, quando esta disse que não sentia mais nada.

Miranda was right. When something was really really funny, I laughed.

PS: Obrigada, Candance. Obrigada, P.

FRAME: As séries da HBO

Quando o primeiro episódio de The Newsroom acabou, eu só queria gritar: Aaron Sorkin, seu gênio.

O ritmo é esse mesmo do teaser: frenético, bagunçado, diálogos afiados. Ok, não é novidade. É a mesma fórmula de The West Wing, que eu amava, e A Rede Social, que eu não amei e que rendeu esse post do Abelardo.

The Newsroom estreou em 24/06 e entusiasmou mais a audiência do que a crítica. E esse é um dos motivos que vale um post nesse blog. Outro é que depois de 18 anos, corro o sério risco de olhar para o Jeff Daniels não mais como o Debi & Lóide.

   

Outra novidade é Veep, também da HBO e com a  Julia Louis-Dreyfus como protagonista.  Aqui, aliás, encontra-se um paradoxo: ela é boa atriz, mas ainda é a Old Christine – mais coordenada, mais sofisticada, mas a Old Christine.

No meu caso, isso não é problema, embora ainda aguarde que, a qualquer momento, o irmão panaca ou filho saltitante apareçam.

A boa notícia é que As Novas Aventuras de Old Christine Veep estreia em 23/07 na HBO Brasil. O debut de The Newsroom, segundo Ana Maria Bahiana, está previsto para o segundo semestre.

Ah, e antes que me esqueça, parabéns a HBO pelas produções. Clap! Clap! Clap!

PS: Os Indicados também tem página no Facebook agora. Apareça por lá.

Virada no Jogo por Melhor Choque

Produzido pela HBO Films, Virada no Jogo está em cartaz atualmente na HBO Brasil. Mostra os bastidores da campanha presidencial americana em 2008, tem um bom elenco, cenas engraçadas da preparação da Sarah Palin

… bons bate-bocas…

…e mesmo assim, tudo que conseguia pensar era: colocaram cabelo no Ed Harris!!!

Ok, ele ficou parecido com o John McCain.

but WTF??? Tô bege!

PS: Leia mais sobre o filme e as 5 cenas mais controversas aqui.

Frame: Boardwalk Empire

 

Eu já falei aqui sobre o casamento TV + cinema. Alguns filmes feitos para a TV até já ganharam indicações (exemplos aqui e aqui). Os leitores desse blog e/ou seguidores do twitter já devem ter notado também que eu adoro séries.

Logo, fiquei muito entusiasmada quando a HBO me convidou para o lançamento de Boardwalk Empire, que estreia hoje às 22h.  O canal vem investindo (e surpreendendo) em  bons roteiros, produções  e nomes de peso, que, se não roubam a cena, já começam a causar inveja em Hollywood. 

 Spielberg e Tom Hanks foram os primeiros e, ao que tudo indica, estão empolgados com a parceria.

       

Claire Danes e Al Pacino também não tem do que reclamar.

   

 E agora Martin Scorsese quem é se rende ao clube HBO.

 

Em  Boardwalk Empire – O Império do Contrabando, ele recria os Estados Unidos da década de 20, logo após a 1ª Guerra Mundial e em plena Lei Seca. E é na figura do carismático Nucky  Thompson que ele encontra a oportunidade ideal  para apresentar, mais uma vez, o curioso e sedutor (sub)mundo da máfia.

Quem interpreta o político e líder do contrabando de bebidas é  Steve Buscemi. Mas o elenco conta ainda com Michael Pitt, Stephen Graham e Michael Shannon.

     

Por trás de toda essa galera,  estão Terence Winter e Mark Wahlberg, respectivamente criador e produtor da série.

 Tá bom ou quer mais?

PS1: Boardwalk Empire – O Império do Contrabando foi visto por 4,8 milhões de pessoas em sua estreia nos EUA.  É o piloto mais visto da HBO.

PS2: Luiz Carlos Merten revela que um dos segredos da HBO está na liberdade dada aos responsáveis pelas produções. “O próprio diretor de alguma forma repetiu seu colega Mike Nichols ao dizer que, na HBO, se faz hoje o cinema mais livre da América. Em Hollywood, os executivos dos estúdios controlam cada centímetro de tela e um autor tem de brigar tanto com eles que nem tem tempo para se dedicar aos projeto como deveria. Na HBO, definido e aprovado o orçamento, a carta é branca e o corte, final“. Leia a crítica completa no Estadão.

PS3: Ana Maria Bahiana, que já viu (mais de) seis dos 13 episódios da série, cravou em seu blog que  BE é, como Sopranos, um trabalho que vai estabelecer um novo padrão para a produção em TV“.  Recomendo o post.

PS3: A série dividiu a crítica americana. Caiu nas graças do LA Times, mas foi detonada pela New Yorker, que  pegou pesado com o elenco – principalmente, Buscemi. Cravou ainda “Boardwalk Empire should be much more fun to watch“. Ouch! (leia mais aqui).

PS4: Eu vou ver hoje e vc?

Prenda me se for Capaz por Melhor Abertura

Melhores aberturas de filmes já foi bastante comentado por aqui. Mas como recentemente uma animação  ganhou o Emmy Awards de Melhor Abertura (Outstanding Main Title Design), a da série da HBO, Bored to Death nas não tão divulgadas categorias de arte do prêmio, me fez lembrar da brilhante abertura em animação do filme Prenda me se for Capaz (2002).

Confira a animação de abertura de Bored to Death:

Só a animação de abertura de Prenda me se for Capaz já é suficiente para gostar do filme: é intrigante,  chega a ter um roteiro independente do filme e você consegue se envolver com a narrativa contada por estilosos bonequinhos croquis. E a trilha que a acompanha é igualmente incrível. Confira abaixo:

Concordam?

Abs,

@abelardobarbosa

A Viagem por Melhor Cocota

Sexta-feira é dia de cerveja e de celebrar as boas coisas da vida – se possível, ao lado dos melhores amigos, tendo uma longa conversa de cocotas.

Portanto, vale lembrar a amizade de Alice e Darlene.  

PS1: A Fox Life sempre passa esse filme com a Claire e a Kate beeeem novinhas.

PS2: Eu adoro qualquer filme com a Claire Danes, que merece mais espaço em Hollywood. Recentemente ela arrasou na capa da Vs e

protagonizou Temple Grandin, na HBO.

PS3: A história de Alice and Darlene lembra em alguns momentos as trapalhadas da Bridget Jones no segundo livro/filme.

PS4: A Viagem ou Brokedown Palace foi dirigido pelo Jonathan Kaplan, que assinou episódios de séries como Crossing Jordan, Law & Order SVU, ER e Brothers & Sisters.

PS5: Post dedicado, é claro, aos bons amigos. Cheers!