O Primeiro Que Disse por Melhor Reviravolta

Imagine só: Tommaso volta pra casa disposto a contar para família que é gay. Sabendo disso, o irmão mais velho, que lidera os negócios da família, antecipa-se e assume seu amor por outro homem, causando uma reviravolta.

O Primeiro Que Disse tem todos os ingredientes de um dramalhão, certo? Quase. A diferença é que o filme tem alma italiana, a única capaz de combinar características tão contraditórias quanto o exagero e a delicadeza.

 

Também não poderia faltar uma história de amor….

 

….fofoca…

 

…e, claro, uma boa dose de humor, representada pelos impagáveis amigos romanos de Tommaso.

 

PS1: Segundo o Omelete, o ator que faz o Tommaso é considerado o novo Marcello Mastroianni. O nome dele é Riccardo Scamarcio

PS2: O nome original de O Primeiro Que Disse  é Mine Vaganti ; nos EUA, ficou conhecido como Loose Cannons.

Cinema Paradiso por Melhor Emprego, Melhor Conselho, Melhor Herança e Melhor Trilha

Cinema Paradiso é um daqueles filmes que merecem ser frequentemente celebrados. É praticamente uma receita para acabar com o mau humor e para dar leveza à alma.

Alfredo é o projecionista do Cinema Paradiso, principal diversão de uma pequena cidade italiana. Ainda que solitária, sua profissão leva magia à vida das pessoas e, como o próprio Alfredo descreve, cada risada é o seu prazer. O filme todo, aliás, é uma celebração ao cinema. “Cinema Paradiso é um filme que encanta qualquer um que cultive algum tipo de afeto pelo cinema. O diretor e roteirista Giuseppe Tornatore lança mão de muitos recursos sentimentais cujos efeitos mais eficientes consistem em evocar os laços emocionais  que o espectador de qualquer idade mantém com os filmes”, ressaltou Cássio Starling Carlos no encarte da Coleção Folha de Cinema Europeu.

Nenhuma frase, porém, é capaz de explicar tão bem o trabalho de Alfredo (e de Tornatore) do que essa cena:

E é o velho Alfredo, o mentor de Totó, quem compartilha o conto:

Quero deixar você contente. Vou te contar uma coisa. Vamos sentar um pouco (…). Um dia um rei deu uma festa. Convidou as princesas mais belas do reino. Um soldado da guarda viu passar a filha da rei. Era a mais bela de todas. Ele se apaixonou, mas o que faria um pobre soldado diante da filha do rei?

Finalmente, um dia ele conseguiu encontrá-la e disse-lhe que não podia mais viver sem ela.  Ela ficou tão impressionada com esse forte sentimento que respondeu ao soldado: se souber esperar cem dias e cem noites sob o meu balcão, então eu serei sua. Caramba! O soldado foi lá e esperou: um dia, dois dias, 10 dias, 20 dias. Toda noite ela controlava pela janela. Ele não saía dali. Com chuva, vento ou neve, ele continuava ali. Os passarinhos faziam cocô nele, as abelhas o comiam vivo, mas ele não se mexia. Depois de 90 noites, ele estava todo ressecado e branco. Lágrimas escorriam-lhe dos olhos e ele não podia segurá-las, pois não tinha mais forcas nem para dormir. A princesa continuava a olhar pra ele. Quando chegou a 99ª noite, o soldado se levantou, pegou a cadeira e foi embora.

Totó: Como assim? No final?

Alfredo: Sim. Bem no finalzinho, totó. E não me pergunte o significado. Eu não sei! Se entendeu, explique-me vc.

Um dos pontos fortes do diretor Tornatore é, sem dúvida, a escolha do elenco. Do garotinho levado com sorriso maroto ao adulto sério, que se emociona com frames do seu passado.

Ah, tem também a premiada trilha de Cinema Paradiso, uma atração à parte, que só deixa a narrativa ainda mais emocionante. E, é claro, só podia ser de Enio Morricone.

PS: Cinema Paradiso ganhou cerca de 20 prêmios mundo afora, incluindo um Oscar por Melhor Filme Estrangeiro.

PS2: É de Tornatore Malena, Baarìa e Estamos Todos Bem – este último com Marcello Mastroianni no papel principal. A versão americana, anos depois, é com Robert de Niro e já foi comentada aqui.

PS3: Cinema Paradiso rendeu uma série de posteres diferentes mundo afora.

    

PS4: Vale prestar atenção em Philippe Noiret (Alfredo), Jacques Perrin (Totó adulto) e Salvatore Cascio (Totó criança), que trabalhou em outro filme de Tornatore.

PS5: Post dedicado à Angel, que também adora esse filme.

OS INDICADOS VIAJA: A Sicília de O Poderoso Chefão

Guias e cadernos de turismo também são uma obsessão desse blog. Quando junta com cinema então…Já pensou em conhecer a Itália do Poderoso Chefão?

Reza a lenda que Corleone não fui utilizada como locação, porque já era muito desenvolvida para a data em que o filme se passa. Por isso, Coppola selecionou Savorca e Forza D’Ago para gravar algumas cenas.

Pois, selecionamos algumas dicas dessa parte da Sicília:

– Localizada a 170 km de Palermo, Savoca tem apenas 1650 habitantes e é conhecida como a cidade das artes.

– Parada obrigatória: Bar Vitelli, o local onde, no primeiro filme, Michael Corleone pede permissão ao pai de Apollonia para conhecê-la. A dona do estabelecimento, a falecida Maria D’Arrigo, virou uma celebridade local. Malandrinha que era, transformou parte do bar,  uma construção do século XVIII (Palazzo Trimarchi, em um pequeno museu, com objetos e fotos das cenas e bastidores das gravações.

– Além do Mar Jônico, também é possível avistar do bar a Igreja San Nicolau (ou Santa Lucia), que remete ao Século XIII e onde os personagens se casam. Aliás, é bom saber que a igreja também é chamada de Igreja de Sana Lucia ou ainda, para facilitar para os turistas, La chiesa de Il Padrino.

Forza D’Agro é menor ainda e tem menos de mil habitantes. Ainda conserva a ar medieval, o que pode ser notado na cena em que  Michael e Kay visitam a praça pricipal e a Igreja de Santa Annunziata e Assunta, do Século 15.

– Tem ainda o Convento Agostiniano, exibida na cena em que Michael chega à Corleone e nas lembranças do pequeno Vito.

PS: No Sicily Life é possível comprar um pacote para visitar essa região e ainda chegar pertinho do Etna.

Fontes: Estadão, Wikipedia, Italy Holidays, Hello!

Frame: 7ª Semana Pirelli de Cinema Italiano

Mamma Mia!

Depois da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, a Itália invade o Brasil com uma programação especial, com clássicos da era de ouro e o melhor da produção contemporânea dos fratellos.

7ª Semana Pirelli de Cinema Italiano tem o pontapé inicial hoje, mas a abertura oficial acontece somente na quarta, enquanto na sexta-feira, às vésperas do feriadão prolongado, começam as exibições para o grande público. Confuso? Bem, é a Itália, minha gente!

O que é importante você saber: são 24 obras, incluindo restaurações, na qual se inclui Roma de Fellini; e os contemporâneos, como Manuale d´amore 3

  

A programação completa você confere aqui e a grade de horários aqui.   

Andiamo, amore mio.

Frame: a obra-prima de Peter Lindbergh

Cate e Kevin juntos???

Calma, minha gente. Não é uma love story nem um novo filme.

O encontro acima foi literalmente criado por Peter Lindbergh, o único homem capaz de reunir em um ensaio estrelas do cinema, da TV  e do futebol e fazer disso uma verdadeira obra-prima.

Além de já ter feito trabalhos para a Vogue, Harper’s Bazaar e Rolling Stone, Peter é membro honorário de um exclusivo clube alemão de diretores de arte.

É conhecido por criar narrativas com as suas fotos. Para este ensaio, escolheu a vila italiana imortalizada, há mais de 50 anos, por Elizabeth Taylor e Richard Burton.  “Time moves on. Only in Portofino does it stand still. When dark clouds shroud the bay, the place takes on an air of mystery“, explica.

Além de Cate e Kevin

… este ensaio conta com a participação de Eric Dane, …

Zinedine Zidane

…o português Figo,

Jack Matthew Fox, …

Jean Reno,

…entre outros.

PS1: Mais fotos maravilhosas aqui.

PS2: Conheça mais sobre Peter Lindbergh aqui.

Cartas para Julieta por Melhor Verdade e Melhor Emprego

Além de linda, Vanessa Redgrave Claire é sábia:

“’What’ and ‘if’ are two words as non-threatening as words can be, but put them together side by side and they have the power to haunt you for the rest of your life.”

Ah, eu queria muito ser uma secretária da Julieta.

PS1:  E esse filminho-mulherzinha-fofo ainda tem a bonitinha You Got Me, da Colbie, na trilha.

 

 

 

O Voo do Dragão por Melhor Estalo, Melhor Careta e Melhor Encontro

Não importa se você é ligado ou não em artes marciais. Tenho 100% de certeza que você sabe quem é Bruce Lee, você sabe que ele é o mestre dos mestres e que, mesmo tendo se passado 37 anos após a sua morte, ninguém ainda foi capaz de superá-lo.

Talvez você não saiba que o Bruce:

1. também era o mestre dos estalos. E que estilo!!!! Além de uma flexibilidade invejável, ele estalava todo os ossos do corpo com um movimento sutil de força que ressaltava toda a sua musculatura.

2. fazia as MELHORES caretas durante as lutas: de não-tô-nem-aí, de perverso, de tá-difícil, tá-fácil, pega-essa…

3. teve em O voo do Dragão o melhor encontro de todos os seus filmes. Deu uma surra gos-to-sa no bobalhão do Chuck  Norris em pleno Coliseu, de Roma. Histórico!!!  

PS1: Sim, eu posso chamar o Bruce Lee de Bruce, porque nossa relação é muito antiga. O menino meu irmão me apresentou aos filmes dele quando era pequena. Até a biografia eu já li. Além de saber que Bruce era um grande dançarino, nunca esqueci um dos seus ensinamentos: “Covarde não é aquele que evita um combate; covarde é aquele que, mesmo sabendo que é superior, luta e fere o mais fraco“. Gostou? Não, eu não copiei de nenhum lugar. Eu sei de cor.

PS2: Eu me sinto mais próxima de Bruce sempre que estalo um dedo, punho ou o pescoço. É nóis, Bruce!!!

PS3: Eu seria capaz de imitar os gritinhos, mas tenho vergonha.  

PS4: Eu gosto quando mostra o gatinho entediado com a luta (3’55’), mas aposto que no final ele fechou os olhinhos de vergonha do Chuck Norris.

PS5: Aliás, ele fatura até hoje a amizade com o Bruce.

PS6: Quando o Brandon Lee, filho do mestre, morreu, eu também fiquei nude.

PS7: Se você também gosta do Bruce, vale visitar o blog Bruce Lee Brasil.

PS8: A Americanas.com tem A Coleção do Mestre.

PS9: Como não poderia deixar de ser, esse post é dedicado ao meu irmão, meu mestre, O  Menino.

Ah…o amor… por Melhor Teoria

Recentemente, o cineasta Marco Bellocchio disse à Folha de S.Paulo que o cinema italiano não vive uma má fase. “Mas quantos filmes italianos chegam ao Brasil? O que vocês conhecem?”, perguntou.

É mesmo. É muito mais fácil encontrar filmes argentinos e franceses nos nossos cinemas do que italianos. E, olha, que até comédias românticas eles fazem.  É o caso de Ah…O Amor.

Lançado em 2009,  o longa segue a receita de Simplesmente Amor e acaba sendo muuuuito melhor que Idas e Vindas do Amor, para mim a Maior (e não melhor) decepção de 2010.

Ah…O Amor é romântico, é engraçado e é exagerado (afinal, é italiano!!). Em outras palavras, uma deliciosa sessão da tarde.

E ainda tem uma teoria que pode render boas conversas de cocotas (ou explicar muita coisa):

Amor é uma doença perigosa, que ao contrário de sarampo e catapora, pode nos contagiar várias vezes durante a nossa vida.

VOU AMAR VOCÊ PRA SEMPRE.

VOCÊ É A MULHER DA MINHA VIDA

Mas, sobretudo,

NUNCA VAMOS NOS DEIXAR.

São as típicas frases que dizemos quando estamos apaixonados. Qual de vocês já disse pelo menos uma vez?

É isso! Evidentemente não sabiam que a dopamina, um neurotransmissor, aumenta na fase inicial da paixão. Digamos que a dopamina é uma espécie de droga natural, que nos faz ver o mundo colorido.

Mas esses valores tendem a se normalizar no período de dois anos. Pessoal, está cientificamente provado, que o amor romântico e passional acaba depois de menos de 1000 dias, a partir do primeiro beijo.

(…)

Conformem-se com isso. Mais dia, menos dia, na nossa vida, estamos todos fadados a virar um EX!

Não é?

PS1:  É claro que Ah…O Amor também tem declarações de amor. Eu gosto da fita cassete com músicas e a inscrição “Ti Amo, Sogno” e a do quebra-cabeça (a namorada vai morar na Nova Zelândia e na mala encontra um envelope com uma peça do quebra-cabeça que ela e o namorado estavam montando –  entrelinha: tá faltando um pedaço. Ã? ã? ã?)

PS2:  Ah…O Amor é dirigido por Fausto Brizzi.

PS3: Marco Bellocchio é um conhecido cineasta italiano, que lançou recentemente Vincere no Festival de Cannes.

Nine por Melhor Prostituta

No último fim de semana, eu entrei no cinema muito nervosa. Estava morrendo de medo de me decepcionar com NINE, tamanha a expectativa que criei em torno desse filme.

Eu adoro musicais, tinha adorado o trailer, ficado apaixonada pelo pôster, impressionada com a tropa do Signor Guido Contini

Assim que o filme começou, todo o medo evaporou. E foi aquele que chamei de chato aqui nesse blog o responsável por isso.

Eu fiquei apaixonada por Guido Contini – pelo talento, pela atuação, pelas covinhas…

Entre tantas mulheres maravilhosas (e vocês sabem que adoro Lady Judi e Penélope), destacam-se Sophia Loren, deslumbrante aos 75 anos, e…

Marion Cotillard, graciosa e talentosíssima como Luisa Contini.

A minha cena preferida, porém, é com Saraghina, a prostituta interpretada por Fergie. Eu fiquei com muita vontade de tocar o pandeiro, subir na poltrona do cinema, cantar feito louca  Be Italiaaaaaaaaaaaaaan e, ao final, aplaudir de pé.  

PS1: Não havia nove mulheres na vida de Guido Contini. Nine faz referência ao filme , de Fellini, diretor que, segundo o The Guardian, fazia um cinema “of visually expressed emotions rather than intellectual rigour”.

PS2: Fellini ganhou seu terceiro Oscar por , que foi lançada em 1963.

PS3: A Fergie engordou 6 quilos para viver Saraghina. No último Grammy, porém, deu para perceber que ela já voltou a antiga forma.

PS4: Nine estreou na Broadway em 1982 com Raul Julia no papel de Guido. Dez anos depois, em Londres, foi a vez de Jonathan Pryce assumir o papel do diretor italiano.

PS5: Nine também está no Oscar: Direção de Arte, Costume Design, Atriz Coadjuvante (Penélope Cruz) e Original Music (dessa vez, não é Cinema Italiano, mas Take it All)

PS6: Mais Nine aqui e aqui.

Sob o Sol da Toscana por Melhor Divórcio

sob o sol da toscanafrances3

É isso mesmo que você leu. Melhor Divórcio.  Não se sinta mal se você não entendeu. Demorou um tempo para cair a ficha também na Frances Mayes, a personagem principal.  

Primeiro ela disse o seguinte sobre divórcio:  Do you know the most surprising thing about divorce? It doesn’t actually kill you. Like a bullet to the heart or a head-on car wreck. It should. When someone you’ve promised to cherish till death do you part says “I never loved you,” it should kill you instantly. You shouldn’t have to wake up day after day after that, trying to understand how in the world you didn’t know. The light just never went on, you know. I must have known, of course, but I was too scared to see the truth. Then fear just makes you so stupid.

Foi Martini, o anjo da guarda italiano, quem a lembrou sutilmente que as coisas não eram bem assim. Veja o que aconteceu depois que o marido a trocou por outra:

1 –  ganhou de presente uma viagem pela Itália com TU-DO PA-GO;

2 – comprou por um impulso uma vila e fez um bom negócio;

3- passou a trabalhar (ela era escritora) de seu home office paradisíaco;

4 – podia, sempre que desse na telha, fugir para Roma.

5 – criou confusão com um italiano encorpado maravilhoso que a chamava de tesoro;

6 – tomou um fora do mesmo italiano encorpado maravilhoso que chamava todas as outras de tesoro.  E como Pollyana nos ensinou a ver o lado bom das coisas, nós podemos dizer que uma experiência como aquela não só agrega ao currículo como também conta mais pontos por ter acontecido em um dos lugares mais lindos do mundo, Positano;

7 – manteve os velhos amigos e fez novos, como Katherine, que dizia ter sido descoberta pelo cineasta italino Federico Fellini. Entre uma loucura e outra, ela soltava algo interessante que o Fefê teria ensinado como Regrets are a waste of time. They’re the past crippling you in the present;        

8 –  conquistou tudo que ela sempre quis. 

PS1:  Sandra Oh interpreta Patti, a amiga lésbica e grávida de Frances. O humor da personagem é bem parecido com o de Cristina Yang, de Grey’s Anatomy, só que menos ácido e mal humorado.

Uma das minhas passagens favoritas é quando Patti comenta que as árvores italianas são estranhas e emenda:  They’re creepy. Creepy Italian trees. Of course, the baby’s going to like them cause it’s going to be a creepy Italian baby who goes around saying things like ‘Ciao mama’ and doing that weird backward hand wave thing. Life is strange. 

PS2: Outra frase que eu adoro nesse filme é dita pelo bello Marcello: If you smash into something good, you should hold on until it’s time to let go.

PS3: A Diane Lane, que interpreta a Frances Mayes e ganha novo espaço aqui no blog, é casada com o Josh Brolin. Enteado de Barbra Streisand, ele foi indicado ao Oscar desse ano pela sua atuação em Milk. Embora tenha outros filmes no currículo, o primeiro papel continua sendo, na minha opinião, o mais inesquecível.  Josh era o irmão mais velho dos Goonies.

Os dois formaram um lindo par no Oscar (vejam as fotos aqui), mas a In Touch Weekly disse, em maio passado, que o gato pode ter subido no telhado.

PS4: O filme é bem diferente do livro. É bem hollywoodiano e mais romântico. No livro, Frances Mayes conta sobre sua decisão de comprar uma casa na Toscana e cada detalhe da restauração do lugar, que durou três anos.  Não tinha nada de divórcio na história. Pelo contrário, a aventura italiana foi compartilhada com o marido e com a filha.

Quem é apaixonado pela Itália não tem como não gostar do livro também, que expõe tradições locais e pontos turísticos, além das férias e os fins de ano da família em Bramasole. Traz, ainda, receitas e temperos utilizados na Toscana.