Uma Carta de Amor por Melhor Carta

Eu morro de saudades da época em que as pessoas trocavam cartas e não breves e-mails, tweets etc.  Esse filme não mostra uma correspondência entre duas pessoas, mas um desabafo descartado no mar.

É a partir de uma carta de Garret para a esposa que a história começa.

Dear Catherine,

I’m sorry I haven’t talked to you in so long. I feel I’ve been lost…no bearings, no compass. I kept crashing into things, a little crazy, I guess. I’ve never been lost before. You were my true North. I could always steer for home when you were my home. Forgive me for being so angry when you left. I still think some mistake’s been made… And I’m waiting for God to take it back. But I’m doing better now. The work helps me. Most of all, you help me. You came into my dream last night with that smile of yours… That always held me like a lover… rocked me like a child.
All I remember from the dream is a feeling of peace. I woke up with that feeling….and tried to keep it alive as long as I could.  I’m writing to tell you that I’m on a journey toward that peace. And to tell you I’m sorry about so many things.
I’m sorry I didn’t take better care of you… So that you’d never spent a minute being cold or scared or sick. I’m sorry I didn’t try harder to find the words to tell you what I was feeling. I’m sorry I never fixed the screen door. I fixed it now.
I’m sorry I ever fought with you. I’m sorry I didn’t apologize more. I was too proud. I’m sorry I didn’t bring you more compliments on everything you wore and every way you fixed your hair.  I’m sorry I didn’t hold on to you with so much strength that even God couldn’t pull you away.

All my love,
G

A própria Catherine havia escrito uma mensagem – aliás, uma mensagem e uma oração, como ela mesma define.

“To all the ships at sea, and all the ports of call. To my family and to all friends and strangers. This is a message and a prayer. The message is that my travels taught me a great truth. I already had what everyone is searching for and few ever find. The one person in the world who I was born to love forever. A person, like me, of the outer banks and the blue Atlantic mystery. A person rich in simple treasures. Self-made. Self-taught. A harbor where I am forever home. And no wind, or trouble or even a little death can knock down this house. The prayer is that everyone in the world can know this kind of love and be healed by it. If my prayer is heard, there will be an erasing of all guilt and all regret and an end to all anger. Please, God. Amen.”

Lindo, né?

PS1: Mais de dez anos depois, eu descubro que esse filme é do Nicholas Sparks também. Já falei dele aqui.

PS2: Veja o trailer também:

Anúncios

Frame: Kevin Costner em Bauru

É isso mesmo que você leu.  Kevin Costner estará no interior paulista em novembro. Segundo o Estadão, ele participa com a sua banda Modern West do SP Onlive Festival (WTF???!!!)

Veja ele assassinando cantando Mr Tambourine Man:

 

Pergunta que não quer calar: teria Kevin Costner sido influenciado por Whitney Houston, com quem contracenou no já indicado O Guarda-Costas? And Iiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii will always looove youuuuuuuuuuu.

Perfume – A História de um Assassino por Melhor Praga

Perfume (2006) é um filme belo. Sem grandes surpresas. Mas, uma frase carregada de profundo ódio chamou minha atenção. Os posts de melhor frase são especialidades da Tati, que as conhece de cor, mas eu resolvi arriscar.

A frase em questão é, na verdade, uma praga. E praga tem que ser assim, tem que deixar qualquer um com medo só de ouvir. Tem que fazer a pessoa se arrepender da própria existência. O ator Alan Rickman (btw, ótimo e já muito comentado por aqui) passa ódio sem precisar alterar nem um tom a voz.

“Very well, but remember this… I’ll be looking at you when you’re laid on the cross and the twelve blows are crashing down on your limbs. When the crowd is finally tired of your screams and wandered home, I will climb up through your blood and sit beside you. I will look deep into your eyes… and drop by drop I will trickle my disgust into them like burning acid until… finally… you perish.”

Minha tradução (perdoem). Pensa naquela pessoa que te fez mal e vai.

“Muito bem, mas lembre-se … Eu estarei olhando você deitado na cruz quando os doze golpes esmagarem seus membros. Quando a multidão finalmente se cansar dos seus gritos e for para casa, eu vou subir entre seu sangue e me sentar ao seu lado. Vou olhar profundamente em seus olhos … e vou despejar gota a gota meu nojo dentro deles como ácido até que…  finalmente…você pereça.”

Para não estragar o prazer de ver o filme com malditos spoilers, vá direto para o minuto 2:51 do vídeo e veja a cena que ele pronuncia a praga.

PS1:  Como pode? Ele é o infame xerife de Nottingham em Robin Hood (1991)!?
Af…

Todo mundo tem um passado condenável!

PS2:  Btw, alguém viu a versão Hood do Ridley Scott?

ps3: Perfume foi dirigido pro Tom Tykwe. Sim, você conhece ele.  Ele dirigiu e escreveu Corra, Lola, corra.

abraços,

@abelardobarbosa

Promessas de um Cara de Pau por Melhor Lembrete e Melhor Campanha Eleitoral

Em tempos de eleição, vale o lembrete:

We need someone who is bigger than their speeches.

O Horário Político começou e provavelmente você já está de saco cheio de ver tanta porcaria (Pelamor!!! Diga NÃO ao Tiririca!!).

Confie em mim e veja isso:

Nenhum candidato nosso tem um currículo como Donald Greenleaf

… ou propostas como a do President Boone.

PS1: Esse filme teria sido MUITO BOM se tivesse somente 30 minutos de duração.  O problema foi ter duas horas…

PS2: Foi um dos últimos filmes de Dennis Hopper.

PS3:  Seria conveniente se algum canal passasse agora, às vésperas das eleições, esse filme, não? Podia cair a ficha em alguns Bud Johnson Brasil afora. #ficaadica

Wishlist: Marilyn e JFK

É claro que todo mundo já ouviu falar que JFK e Marilyn eram amantes, mas é muito mais fácil recordar a adorável família americana com um triste e precoce fim.

São tantas as fotos da elegante Jackie O, …

… a clássica imagem do John-John com o pai no Salão Oval,…

…e a história do presidente, esperança de um país, brutalmente assassinado, que a lavagem cerebral é completamente normal.

Ah, tem também o filme de Oliver Stone, lançado em 1991 com Kevin Costner e Gary Oldman no elenco.

A parte mais sórdida da história está em Marilyn e JFK, de François Forestier.  “Baseado em entrevistas com figuras da época e em fatos verídicos, o livro revela a paixão da musa e desmistifica a aura de bom moço do presidente americano”.  Foram dez anos de relacionamento acompanhados por vários figurões, incluindo Frank Blue-Eyes Sinatra, a máfia, a CIA e a KGB.

Ficou curioso?

Então olha só o trecho que narra um dos episódios mais conhecidos do mundo:

“- Faça um vestido que somente Marilyn ouse usar.

O criador desenha um sonho: um vestido feito com um tecido tão leve que parece transparente, uma nuvem de seda. O tecido foi especialmente confeccionado para a ocasião e, vestindo Marilyn, Jean-Louis confirma:

– Suponho que a senhora estará nua.

– Inteiramente!

Foi preciso sobrepor vinte camadas de seda nos seios e entre as pernas, para evitar a transparência, e 6 mil pedras do Reno foram semeadas por todo o tecido, fazendo o vestido cintilar. Durante sete dias seguidos, 18 costureiras trabalharam nele: impossível vesti-lo. Precisou ser costurado na estrela. Literalmente: moldado em Marilyn. (…) O traje custou 12 mil dólares, ou seja, oito vezes mais em dólares do século XXI. Em 1999, em leilão da Christie’s, atingiu a soma de um milhão de dólares.

Há alguns dias Marilyn sabe que vai cantar na festa de aniversário do Presidente. Entraria no final de um show extraordinário, e ela tem consciência do que está sendo insinuado: é ela o presente de JFK. A anti-Jackie. Tudo faria, entrão, para ser o quea primeira-dama não é:provocante, sexy, engraçada. Richard Adler, o organizador do evento, pede que Marilyn ensaie uma cançoneta, um Happy Birthday divertido. Ela se põe a trabalhar com Hank Jones, um pianista conhecido. (…) Ao ouvir a versão de Feliz Aniversário de Marilyn, os dois homens se desesperam. É, pura e simplesmente, uma canção de striptease, um convite lúbrico, uma melodia lasciva, mais adequada para o Crazy Horse Saloon de Paris.

Adler, que nada sabe da ligação entre o Presidente e a estrela, telefona diretamente a JFK:

– Será uma catástrofe, senhor Presidente.

– Não se preocupe.

Mass Adler já previu uma substituta. Shirley MacLaine está à disposição, apesar de reticente.

(…)

No dia seguinte, Marilyn chega antes da hora e se tranca no camarim. Seu novo cabeleireiro, Mickey Song, e as costureiras se põem a trabalhar. Enquanto o primeiro dá um movimento inédito aos cabelos da cliente, as demais preparam o vestido, o famoso vestido. (…) Carregada por braços fortes, incapaz de andar com o vestido ultracolante, Marilyn é levada aos bastidores como um pacote frágil. Peter Lawford, Mister Lealdade, preocpado, repete pela vigésima vez:

– E agora, senhor Presidente, senhoras e senhores, ….Marilyn!!!

Nada acontece. Pois, atrás das cortinas, o vestido havia estourado. “Todo mundo pôde ver que ela não tinha nada embaixo”, lembrou-se um dos atores presentes. Então, volta ao camarim. (…)

– Senhor Presidente, na história do espetáculo, mulher alguma jamais teve tanta importância, fez tanto….Senhor Presidente, aqui conosco a loura que tem um efeito de bomba-relógio, Marilyn Monroe!

Um projetor único banha Marilyn com seu facho. A sala explode. Com passos minúsculos, como uma gueixa, sorrindo, em transe, a estrela se aproxima. Diante do microfone, livra-se da estola de arminho e, sozinha, entoa a importal versão de Happy Birthday, nom meio de um silêncio religioso. Os 15 mil democratas estão apralisados de surpresa. Dorothy Kilgallen expolicaria em sua crônica:

“É como se ela fizesse amor com o Presidente, diante de 40 milhões de telescpectadores”.

Não imaginava o quanto era exato o que dizia. Pois enquanto Marilyn sussurrava “Happy Birthday, Mister President….”, iluminada pelo facho de luz de um projetor, os ascensoristas e artistas nos bastidores vêem… o vestido estourar”

PS1: Mais trechos do livro no site da Veja.

PS2: Joe diMaggio, ídolo dobaseball, ex-marido e eterno apaixonado por Marilyn, morreu em 08/03/1999, 37 anos depois da amada. Reza a lenda que suas últimas palavras foram: “Agora vou encontrar Marilyn”.

O Guarda-Costas por Melhor Premiação

0890aa94fc8d4a9faad30a3d8dccc8e4

Toda premiação é a mesma coisa – muitas lágrimas, sorrisos nervosos, discursos histéricos… mas O Guarda-Costas, de 1992, quebrou todos os paradigmas:  

– a vencedora do Oscar, Rachel Marron, sofre um atentado ao vivo;

–  o morto-vivo Frank Farmer dá um banho de profissionalismo e mata, também ao vivo, o terrorista;

– Whitney Houston dá um banho de interpretação (sic) e arranca lágrimas quando grita It’s not me! It’s not me! He’s my bodyguard!!, enquanto  se  esforça para mantê-lo longe da luz.

E depois de tanto suspense, o alívio e o reencontro ao som de ‘And Iiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii…”

Foi muito difícil encontrar uma categoria para esse filme, que é um verdadeiro clássico. Cogitei colocar como Melhor Date, mas temos que admitir que Rachel e Frank não tinham muita química.

O primeiro encontro chega, inclusive, a causar vergonha alheia. Se Whitney Rachel tivesse visto Ele não está tão a fim de você, ela saberia que daquele mato não sairia muito cachorro.

Durante todo o date, ela fala feito uma maníaca (chata), ele mal olha para ela e aposto que só pega para provar que é macho. Ah, e a cena da espada refletindo a luz nos olhos deles?

Veja você mesmo:

Mas eu não quero detonar o filme por três motivos:

1- Eu confesso que era louca por ele no passado (a fita VHS deve estar guardada em algum lugar).

2- Eu gosto até hoje da trilha sonora, que rendeu duas indicações ao Oscar. Uma por Run to You

… e outra por I Have Nothing.

3 – Esse post celebra a volta da Whitney, após um afastamento de sete anos. É isso mesmo, minha gente!

31 de agosto é a data oficial do lançamento do novo disco, que pode ser conferido no site dela.  Eu já tenho, inclusive, a minha faixa preferida do  sexto álbum,  I Look to You.

Trata-se de Million Dollar Bill, que tem a cara de Alicia Keys, até porque foi escrita por ela, e o vozeirão inconfundível da Diva.

Segundo a Reuters, as primeiras críticas do álbum são promissoras e a Arista Records, da Sony, espera que ele seja um dos discos mais vendidos do ano.

PS1: O Guarda-Costas foi o début de Whitney nas telonas. Antes disso, ela tinha participado somente da série Gimme a Break!. Depois do sucesso com o Kevin Costner, ela fez, além de participações especiais na TV, os seguintes filmes:

Falando de Amor, com a  Angela Basset. A trilha sonora, que contava também com Aretha Franklin e Mary J Blige,  foi feita pelo Babyface, gerou bom barulho e concorreu a 3 Grammy. Exhale (Shoop Shoop) é a faixa título:

Um Anjo em Minha Vida, com Denzel Washington.

PS2: Voltando ao O Guarda-Costas, o filme concorreu em 7 categorias (venceu em duas) ao MTV Movie Awards. A minha preferida? A indicação a homem mais desejado,  Kevin Costner. hahahahaha. Muito bom, MTV!!

E, claro, o filme da Whitney também arrasou no Framboesa de Ouro, recebendo sete indicações – pior filme, pior ator, pior atriz , pior revelação , pior canção original (Queen of the Night) e pior roteiro.

PS3: Whitney voltou ao Oscar em 1999 para cantar, ao lado de Mariah Carey, When you believe.  Produzida por Babyface, o hit ganhou o Oscar como Melhor Canção Original de O Príncipe do Egito, da Dreamworks.

Confira o dueto:

PS4: Esse post é dedicado ao Ricardo e toda a galera do Dona Rachel, que continuará sendo tendência. Afinal, Iiiiiiiiiiiiiii will always loooove youuuuuuuuuuuuuu, will alwaaaaays…