Questão de Tempo por Melhor Lembrete

Film Title: About Time

Esse post é feito para 2 perfis de cinéfilos: os que já viram esse filme e os que não assistiram. Se você está nesse último grupo…

wtf

O que você está esperando?

Esse filme não é mais um clichê sobre viagens no tempo. Esse filme é uma lição de vida!!!

Ok, tem alguns elementos conhecidos de comédias românticas: o mocinho (o Weasley Domhnall Gleeson) que conhece a mocinha (Rachel McAdams, a namoradinha da América) e embarca em um romance repleto de trapalhadas e reviravoltas. Só que tem a ironia britânica, tem Londres e tem, principalmente, o inesperado, que é a forma da vida nos mostrar que, por mais que a gente tente, nosso poder de controle é muito pequeno. Até para quem tem poderes especiais!

Se você está no primeiro grupo, você certamente foi deliciosamente surpreendido. E quando a sua rotina é tomada por mais perguntas que respostas, entremeadas por lágrimas e sofrimento, o filme de Richard Curtis é um bom lembrete de como seguir com a sua extraordiária, comum vida, mesmo de ponta cabeça.

“E, então, eu acho que eu aprendi a lição final das minhas viagens no tempo e até fui um passo além do que o meu pai fez:

A verdade é que agora eu não viajo mais, nem mesmo por um dia. Eu apenas tento viver cada dia como se eu deliberadamente voltasse a ele, para apreciá-lo, como se fosse o último dia da minha extraordinária, comum vida.

 Estamos todos viajando através do tempo juntos, todos os dias de nossas vidas. Tudo o que podemos fazer é dar o nosso melhor para saborear este passeio notável”

PS1: Se você também é apaixonado por esse filme, não perca esse tumblr.

PS2: Não é uma crítica, mas vocês não acham que Bill Nighy interpreta sempre ele mesmo nos filmes? 

QuestãodeTempo_Bill Nighy

PS3: Esse é o terceiro filme de Rachel em que o mote é viagem no tempo. Os outros são  Te Amarei para Sempre e Meia-Noite em Paris

IMG_5635

Anúncios

360 por Melhor Bilhetinho

Bom.. comentei com a Pref sobre 360 saindo da sala do cinema. É claro que há melhores filmes, nada dele é muito especial para se enquadrar em um de nossos prediletos. É assim, um filme angustiante, porque você fica esperando que algo aconteça e …nada. Nada muito interessante, nada muito anormal, nada muito especial. Poderia, mas não acontece. Mas enfim, assim é também a vida, não?!

Dirigido por Fernando Meireles, o filme tem um elenco incrível e alguns tupiniquins falando ok em inglês. Tem a mesma narrativa de várias histórias que se encontram já vistas em NY, Eu Te Amo. De novo, nada novo.

Por fim, se fosse dar uma indicação (e o faço agora) seria a do bilhete, quase um conselho, dado pela brasileira Laura (interpretada pela atriz Maria Flor) ao simpático Sr. John (o veterano Anthony Hopkins). spolier alert. 

(…) Never done this kind of thing before. But you only live once. How many chances do we get?

 

Espera-se de um brasileiro essa coisa Carpe Diem. Espera-se de nós essa coragem para sair da rotina e agarrar as oportunidades que aparecem. Podemos ir atrás de algo diferente que, enfim, nos mude, nos complete, nos satisfaça. Pode ser, mas, às vezes, nada especial é o que realmente acontece. Afinal, assim é também a vida, não?!

P.S.: Destaque para a trilha sonora gostosinha.

Bjos, Fil

GAROTO OS INDICADOS: Mark Ruffalo na premiere de Os Vingadores

Quem acompanha esse blog sabe que sou eternamente-forever-and-ever apaixonada pelo Robert Downey Jr, o #1.  No entanto, Mark Ruffalo não passou despercebido na premiere de Os Vingadores. Salve o Hulk!

PS: Veja mais fotos da pre-estreia em Londres aqui.

WishList: Moedas do Star Wars

 

Peça para colecionador de moedas e fãs de Star Wars: conjunto de moedas inspirado na saga. Edição Limitada por 529.95 dólares canadenses ou R$ 912,04. Só aqui.

Superdica de Saulo Próspero, do blog Os Olímpicos. Se ainda não conhece, passe lá. Londres taí

 

OS INDICADOS VIAJA: Londres

Há muitas versões, mas a Londres do teatro é certamente uma das mais conhecidas. O roteiro é extenso. Os musicais são os mais disputados — dos tradicionais, como O Fantasma da Ópera, a recentes blockbusters, como Wicked e Billy Elliot. Engana-se quem pensa que todos foram importados da Broadway. Alguns nasceram ali, como  Mudança de Hábito, e sua divina protagonista Patina Miller, que depois de uma temporada arrasadora no Reino Unido foi escalada pelo Tim Sam para encantar os americanos e os turistas de Manhattan.

Na terra de Shakespeare, é claro, drama não falta.  No Shakespeare Globe Theatre, você viaja no tempo ou, para os cinéfilos, sente-se em uma cena de Shakespeare in Love.


Mas, acima de tudo, há belas produções com artistas consagrados, oportunidade única para ver de perto aquele ator ou atriz que tanto gosta.

Em setembro passado, eu tive a chance de ver Ralph Fiennes em A Tempestade (The Tempest), peça de Shakespeare. Enquanto a crítica não dava mole para Ralph ( “It’s always good to see a bit of Shakespeare invading the West End of trashy musicals, but here the West End invaded Shakespeare”, cravou o  Sunday Times ), meros espectadores perdiam-se na história de Próspero, um feiticeiro, com o perfeito (e audível) sotaque inglês de Ralph.

Quem também estava em cartaz em Londres, e com ingressos superdisputados, era Jude Law com o drama Anna Christie. Essa é a segunda vez, aliás, que esbarro em Jude. Há dois anos, era ele quem encenava Shakespeare na capital inglesa.

Outro ingresso disputado foi o de Richard III,  mais uma parceria entre o americano Kevin Spacey  e o inglês Sam Mendes. Com dois meses de antecedência, já não havia mais ingressos disponíveis.

Logo depois que deixei a cidade, uma das minhas atrizes favoritas preparava-se para subir ao palco. A elegantíssima Vanessa Redgrave assumiu o papel de Daisy Wertham em Conduzindo Miss Daisy. Sua atuação, bem como a de James Earl Jones, vem sendo elogiadíssima.

Atualmente, Thandie Newton faz Death and Maiden no Harold Pinter Theatre. E, a partir do dia 09/11, Michael Sheen faz Hamlet no Young Vic.

   

E não pense você que a rotina deles é fácil, não. Eu até me surpreendi. Ainda que em curta temporada, essas estrelas, acostumadas a embolsar milhões em um único filme, sobem ao  palco de segunda a sábado, sendo que em alguns dias a jornada é dupla. Haja fôlego e amor à arte!!

DICA

Vai para Londes?  Então, anote essas duas dicas:

1) entre no site Official London Theatre e mapeie os espetáculos que gostaria de ver.

2) Para alguns é recomendável comprar com antecedência, pela internet mesmo. Para os demais, vá até a estação Leicester Square e adquira ali mesmo, em uma das box office. Subindo as escadas você encontra mais opções, sempre com preços mais em conta. É possível também comprar no próprio teatro. Para The Tempest, por exemplo, eu comprei com 3 dias de antecedência, na bilheteria, por 35 euros. E posso garantir: Shakespeare e Fiennes valem muito mais que isso.

WishList: Europa de Cinema

Para a série livros-que-eu-gostaria-de-ter-escrito, incluí o guia Europa de Cinema, escrito por Vicente Frare.

O livro se propõe  a “transformar as cenas do cinema em experiências reais na sua próxima viagem à Europa”. Indica, portanto, locais de conhecidos filmes rodados em Berlim, Londres, Madri, Paris e Roma, a cidade mais linda do mundo.

É craaaaro que eu já pincei algumas dicas. 

1. Em Berlim

    

Fãs de Lola Corra Lola não vão encontrar o Deutsche Transfer Bank, onde o pai da protagonista trabalhava. Ele foi montado, somente para as filmagens, no edifício do luxuoso Hotel de Rome, localizado na Bebelplatz, praça onde os nazistas queimaram milhares de livros. Para lembrar o episódio, aliás, há uma intervenção na calçada: prateleiras de livros vazias.

A Supremacia Bourne foi outro filme que criou um cenário fictício.

          

O histórico edifício Haus Cumberland, na Kurfurstendamm 193, deu lugar ao Hotel Brecker, um dos locais em que Bourne é perseguido.

2. Em Londres

      

Para as Bridget Jones de plantão o/, a casa da inglesa mais famosa do mundo fica na margem sul do Tamisa, perto do Tate Modern. “Fica fácil de encontrar o edifício por causa do pub The Globe, que fica na entrada. Há um mercado de alimentos soberbo a duas quadras da casa de Bridget, chamado de Borough Market”, entrega Frare.

        

Para os fãs de Julia Roberts e Hugh Grant, boas notícias. A livraria de William realmente existe – The Travel Bookshop (13-15 Blenheim Crescent – W11).  O restaurante onde o casal escuta obscenidades (ui!) é o Nobu e a cena do casamento foi filmada nos jardins do hotel-butique Hempel.

3. Em Madri

          

Madri respira Almodóvar ou Almodóvar respira Madri? De qualquer forma, a Puerta de Alcalá, que aparece em Carne Trêmula, é a porta de entrada do bairro de Salamanca, “recheado de lojas e restaurantes exclusivos. A Calle Serrano é um dos enderços mais exclusivos de Madri“, conta o autor.

    

Quem também mora na Puerta de Alcalá é o casal  Elsa e Fred. A dupla, aliás, revela um roteiro gastronômico:  jantar no Restaurante Goya, do Hotel Ritz Madrid, e uma passadinha Chocolatería San Ginés para adoçar a boca. Que tal?

4. Em Paris

          

O restaurante em que Isabel, de À Francesa,  janta com seu amante é o Restaurante Georges, localizado no topo do Museu Centre Georges Pompidou.

O charmoso apartamento de Céline em Antes do Pôr do Sol fica na l’Étoile d’Or, na rua do Fbourg St Etoine, no 11º arrondisement, perto da Bastilha.

     

Falando em moradia, ao contrário do filme, o Julia Child viveu no número 81, e não 10, da Rue de l’Université, próximo a Assembleia Nacional.

5. Em Roma

       

O restaurante em que Liz – protagonista de Comer, Rezar, Amar – reúne-se com amigos para discutir qual palavra representa cada cidade é o Ristorante Santa Lucia, atrás da Piazza Navona.

       

A cena final de A Doce Vida foi gravada na praia de Fregene, nos arredores do aeroporto Fiumicino.

         

A casa do jornalista de A Princesa e O Plebeu fica na Via Margutta 51.”A rua, entre a Piazza di Spagna e a Piazza Del Popolo, é um reduto de artistas, com várias galerias de arte. Fellini também morava ali. Há dois hotéis que ficam ao lado da casa do filme“, explica Frare.

Gostou? 

Então corra pra livraria.

Serviço:

Europa de Cinema.

Vicente Frare, Editora Pulp.