Frame: Boardwalk Empire

 

Eu já falei aqui sobre o casamento TV + cinema. Alguns filmes feitos para a TV até já ganharam indicações (exemplos aqui e aqui). Os leitores desse blog e/ou seguidores do twitter já devem ter notado também que eu adoro séries.

Logo, fiquei muito entusiasmada quando a HBO me convidou para o lançamento de Boardwalk Empire, que estreia hoje às 22h.  O canal vem investindo (e surpreendendo) em  bons roteiros, produções  e nomes de peso, que, se não roubam a cena, já começam a causar inveja em Hollywood. 

 Spielberg e Tom Hanks foram os primeiros e, ao que tudo indica, estão empolgados com a parceria.

       

Claire Danes e Al Pacino também não tem do que reclamar.

   

 E agora Martin Scorsese quem é se rende ao clube HBO.

 

Em  Boardwalk Empire – O Império do Contrabando, ele recria os Estados Unidos da década de 20, logo após a 1ª Guerra Mundial e em plena Lei Seca. E é na figura do carismático Nucky  Thompson que ele encontra a oportunidade ideal  para apresentar, mais uma vez, o curioso e sedutor (sub)mundo da máfia.

Quem interpreta o político e líder do contrabando de bebidas é  Steve Buscemi. Mas o elenco conta ainda com Michael Pitt, Stephen Graham e Michael Shannon.

     

Por trás de toda essa galera,  estão Terence Winter e Mark Wahlberg, respectivamente criador e produtor da série.

 Tá bom ou quer mais?

PS1: Boardwalk Empire – O Império do Contrabando foi visto por 4,8 milhões de pessoas em sua estreia nos EUA.  É o piloto mais visto da HBO.

PS2: Luiz Carlos Merten revela que um dos segredos da HBO está na liberdade dada aos responsáveis pelas produções. “O próprio diretor de alguma forma repetiu seu colega Mike Nichols ao dizer que, na HBO, se faz hoje o cinema mais livre da América. Em Hollywood, os executivos dos estúdios controlam cada centímetro de tela e um autor tem de brigar tanto com eles que nem tem tempo para se dedicar aos projeto como deveria. Na HBO, definido e aprovado o orçamento, a carta é branca e o corte, final“. Leia a crítica completa no Estadão.

PS3: Ana Maria Bahiana, que já viu (mais de) seis dos 13 episódios da série, cravou em seu blog que  BE é, como Sopranos, um trabalho que vai estabelecer um novo padrão para a produção em TV“.  Recomendo o post.

PS3: A série dividiu a crítica americana. Caiu nas graças do LA Times, mas foi detonada pela New Yorker, que  pegou pesado com o elenco – principalmente, Buscemi. Cravou ainda “Boardwalk Empire should be much more fun to watch“. Ouch! (leia mais aqui).

PS4: Eu vou ver hoje e vc?

Anúncios

Daylight por Melhor Acidente

Depois de  Rocky, esse é o meu filme preferido do Stallone. Aliás, eu diria que ele mudou a minha vida, porque toda vez que eu entro num túnel meu coração acelera.

PS1: O túnel de Daylight é aquele que passa embaixo do Rio Hudson, ligando Manhattan a New Jersey. Uma explosão acidental provoca um desmoranamento, aprisionando um grupo de pessoas (meliantes, velhinhos, adolescente problemática, cachorro…). Muita emoção!!

PS2: Na verdade, eu sempre lembro desse filme quando passo no túnel do Ibirapuera ou naqueles da Imigrantes

PS3: Sabe quem participa desse filme? O Viggo, quando ele era ainda só um rostinho bonito, e a Amy Brenneman, que hoje faz a Violet em Private Practice.

PS4: Quem também está em Daylight é o filho do Stallone, o Sage Stallone. Foi a segunda participação dele em um filme do papai. A primeira foi no Rocky V, como Rocky Balboa Jr, papel do Milo Ventimiglia no último Rocky (seria pela boca torta?).