Crepúsculo dos Deuses por Melhor Fade-Out

Essa é uma indicação de Ana Maria Bahiana, que classificou a cena como “um dos mais geniais fade-outs do cinema”. E não é?

PS: Não, não sou BFF da Ana Maria Bahiana, mesmo já tendo trocado uns tweets com ela. A cena foi descrita na introdução do livro Como Ver um Filme.

PS2: Ainda na introdução, a autora dá mais um motivo para render-se à obra. “Temos em comum o mesmo amor pelo cinema. De uma forma ou de outra, os sonhos e ideias de gente que nunca conhecemos, a maioria do outro lado do planeta, alimentou e forjou nosso modo de ver o mundo, de caminhar nele, de interagir. Herdamos dessas visões alheias desejos de beijos, fantasias de cópulas, terrores noturnos, pesadelos ao meio-dia, duelos na rua principal, aiô Silver!, cubra-me!, Houston, we have a problem. Vamos precisar de um barco maior. Teremos sempre Paris. Rosebud! It’s showtime!”.

PS3: O livro propõe exercícios para aqueles que querem entender os “processos, recursos e truques que transformam uma ideia em duas horas de sonho acordado”. Também familiariza curiosos com termos técnicos dessa indústria como On Spec, McGuffin, Pan e Foreground. Traz ainda uma interessante comparação entre fatos históricos e os filmes lançados no mesmo período.

PS3: É claro que curiosidades não podem faltar, anda mais com o currículo e conhecimento da autora. Uma das minhas passagens favoritas é a do clássico dos clássicos, O Poderoso Chefão. A cena inicial, com Don Corleone interagindo com um gatinho, não estava no script. O felino invadiu o estúdio e teria interrompido a cena, se não fosse a capacidade de improviso de Marlon Brando, que deu colinho para o folgado.

 

Quer saber mais? Compre o livro! Vale a pena!

O Poderoso Chefão por Melhor Frase

 

Em 2012, lembre-se do que O Poderoso Chefão nos ensinou:

 

 

 Leave the Gun, take the Cannoli

 

PS: Mais O Poderoso Chefão aqui.

WishList: Sofia Coppola para Louis Vuitton

É, essa mulher deu uma virada na vida. No início da década de 90, papi deu de presente um papel importante em O Poderoso Chefão 3, mas Sofia não estourou. Pelo contrário, foi um desastre!

Ralou muito, até ser indicada ao Oscar e a outras premiações por Encontros e Desencontros. Ela não só produziu e dirigiu esse filme, como também ressuscitou o Bill Murray e fez todo mundo olhar para a Scarlett.

   

Depois teve Maria Antonieta, no qual repete a parceria com a Kirsten Dunst, com quem tinha trabalhado em Virgens Suicidas.

  

Maria Antonieta não foi um grande filme, mas levou o Oscar por melhor figurino e ainda causou um furor no mundo da moda.

     

E esse é um dos motivos que a fez ser convidada pela Louis Vuitton para assinar uma linha exclusiva. Temos que admitir: a moça tem bom gosto!

E eu estou completamente apaixonada por essa bolsa, destaque da Marie Claire desse mês.

Por favor, Papai do Céu, por favor!! Para o Senhor, R$ 8900 não é nada!!

 —-

PS1: Sofia teve recentemente seu segundo filho. Aliás, ela e o pai da criança parecem irmãos. Veja aqui.

PS2: Está previsto para dezembro de 2010 o novo filme de Sofia. Somewhere tem Stephen Dorff  e Benicio Del Toro no elenco.

PS3: Sofia já tinha assinado uma campanha para a Dior. Bem fofa! Bem MarieAntoinette!

Frame: Oscar

Então, vamos falar do Oscar. Só que, mais do apontar os meus favoritos, eu queria relembrar os grandes momentos dessa festa.

Regras do Jogo

1) Qualquer comentário é bem-vindo.

2) Coloquei aqui aqueles que lembro, que vivi e torci. E isso quer dizer que alguns clássicos, como O Poderoso Chefão e E O Vento Levou, não serão citados. (porque eu não sou tão velha assim…)

3) Os vídeos mais antigos foram desativados e você terá que ver no youtube. Como diz a Pink, Please don’t leave me.

4) Os meus critérios são completamente subjetivos. Sim, os seus também podem ser.

BEST PICTURE

Vocês sabem que meu coração pertence a Bastardos Inglórios, mas não acho que esse ano será do Tarantino.

1994, porém, foi um grande ano. Essa categoria foi apresentada por Robert De Niro e Al Pacino (eu sei: OMG! OMG! OMG!) e os concorrentes eram Forrest Gump, 4 Casamentos e 1 Funeral, Pulp Fiction (Melhor Overdose e Dança), Quiz Show e Um Sonho de Liberdade.

E o ganhador é um clássico, daqueles que a gente cita frases até hoje:

Actor in a Leading Role

Meu feeling diz que esse ano será do Jeff Bridges. A minha torcida é pelo Colin Firth (na verdade, eu só não fico feliz se o Jeremy Renner, de Guerra Ao Terror, ganhar. Nada pessoal, mas acho que pode comer um pouco mais de grama antes de levar a estatueta para casa).

Há muito tempo ele não faz um filme bom, mas tudo bem. Depois de Hannibal Lecter, Anthony Hopkins pode tudo.

Eu aposto, porém, que você se lembra do ROBERTO!

  

E ainda, na noite de homenagem ao Sidney Poitier

o Oscar (oh, I Love My Life!) do Denzel.

Actor in a Supporting Role

Dá um aperto no peito pelo Christopher Plummer, mas it’s a Bingooo. Christoph Waltz é o cara!! 

A lista de atores coadjuvantes é impressionante, mas alguém é páreo para o Coringa do Heath Ledger?

And this is for his beautiful Matilda! \o/

 Actress in a Leading Role

 Todo mundo sabe que eu amo a Meryl. E ela passou por todo o estresse pré-premiação 16 vezes e pela frustração de voltar com as mãos abanando 14 vezes.

Meryl darling, I’m sorry. Receio que essas estatísticas vão aumentar, porque eu também estou torcendo para a Sandra.

E o momento? Ah, a Julia né? Adoro Julia, adoro o sorriso, a gargalhada, a veia estourando na testa, adoro o humor, adoro o vestido, love it all!!

Evocando o passado rapidamente, um bocadinho de Audrey (ainda mais por A Princesa e O Plebeu que foi um dos primeiros posts desse blog —->veja aqui.)

Actress in a Supporting Role

Eu não vou escolher a Mo’Nique, porque eu tenho medo dela. So the Oscar goes to… Maggie Gyllenhaal!!

 E escolher uma ex-ganhadora foi difícil. Teve a Jennifer Hudson (porque eu gosto dela, gosto de Dreamgirls e gosto de American Idol),

a Catherine Zeta-Jones (que quase deu a luz na premiação) e

a Penélope.

Animated Feature Film

Eu torço por UP e o adorável Mr. Fredricksen(cuja voz é do Christopher Plummer).

 Essa categoria passou a existir em 2001 somente – tanto é que A Bela e A Fera concorreu a Melhor Filme no passado.

Directing

Tarantino, bóvio!

 E um momento marcante (e idiota, mas conveniente) foi o James Cameron gritando I’m the king of the world!

(E, se ele já se sente o rei do mundo, ele não precisa ganhar agora, certo?)

Writing (Original Screenplay)

Tarantino por Bastardos Inglórios!

 

E quem esquece dessa dupla?

Music (Original Song)

Nine! Nine! Nine!

Essa é uma das categorias que eu mais gosto e costuma nos brindar com apresentações marcantes, como a Madonna nervosa e desafinada com You Must Love (Evita),

um Aerosmith comportado (Armageddon),

a Whitney engolindo a Mariah (O Príncipe do Egito),

e Celine e Andrea Bocelli, cantando a música da animação A Espada Mágica (lembro que a Meryl chorou!! ´É, sim, de tão lindo!!).

Aliás, você pode não gostar dela, mas Celine reina no Oscar. Cantou a música de A Bela e A Fera,

 do Titanic e

de Íntimo e Pessoal.

Nesse ano (1997), ela cantou ainda I Finally Found Someone, de O Espelho Tem Duas Faces. A música é da Barbra, que se recusou a comparecer a cerimônia por não ter sido indicada a melhor atriz. Bafão!!!

Essa é a original, com Barbra e Bryan Adams.

Adooooooooooooooooooooooro!

PS1: Outro bafão, desta vez do ano passado, a Jen Aniston toda sorridente em frente ao Brad.

PS2: Tem o beijão do Adrien Brody na Halle ‘Storm’ Berry.

PS3:  o escândalo do Cuba Gooding Jr.

PS4: E aí?

O Poderoso Chefão por Melhor Pesadelo

Alguém OUSA duvidar?

PS1: Eu sou doida por poster e escolher um do O Poderoso Chefão é uma das tarefas mais difíceis.

Quem quiser se arriscar sugiro procurar na Fnac ou  encomendar pela art.com, cuja variedade e qualidade são incomparáveis (obrigada pela dica, Lia Rizzo!).

PS2: Essa é a primeira de várias indicações que a trilogia deve receber. Mande também sua sugestão!

PS3: Pausa para o comentário mulherzinha: O Al Pacino não está lindo de viver nesse filme?

PS4: Veja o trailer:

Mensagem Para Você por Melhor Chat

kathleen_joe

Esse é um dos filmes que mais gosto e não me canso de ver.  A troca de mensagens entre o NY 152 e a ShopGirl é deliciosa e a melhor delas é aquela em que ele utiliza o filme O Poderoso Chefão para dar conselhos profissionais para a moça que está prestes a perder o negócio herdado da mãe.

Outro momento clássico do filme, que merece a indicação de Melhor Explicação, é quando o NY152  revela que o  Starbucks é muito mais que uma cafeteria.

“The whole purpose of places like Starbucks is for people with no decision-making ability whatsoever to make six decisions just to buy one cup of coffee. Short, tall, light, dark, caf, decaf, low-fat, non-fat, etc. So people who don’t know what the hell they’re doing or who on earth they are can, for only $2.95, get not just a cup of coffee but an absolutely defining sense of self: Tall. Decaf. Cappuccino.”

Outros motivos para gostar desse filme:

1 – O  Joe F-O-X possui o cachorro mais lindo do mundo, o Brinkley.

2 – A Kathleen tinha a loja dos sonhos – The Shop Around the Corner, de livros infantis.

3 – Quando termina com o ex, ela diz que não possui ninguém, but there’s the dream of someone. Piegas, mas A-D-O-U-R-O.

4 – Também adoro quando eles brigam porque o Joe Fox rouba o caviar que enfeitava uma travessa. It’s garnish!

5 – Ele diz para o amigo que ela tinha uma franja adorável caindo na testa. E ainda lê Orgulho e Preconceito, porque é o livro favorito dela.

6 – A trilha sonora é MA-RA-VI-LHO-SA.  Tem Signed Sealed Delivered I’m Yours, do Stevie WonderDummy Song, com o Louis Armstrong; Dreams, do Cranberries; e Anyone At All, com a Carol King. Gosto também de Harry Nilson cantando The Puppy Song, Remember e Over The Rainbow.

7 –  Tem Meg Ryan, antes do implante de boca e/ou bochecha, e Tom Hanks.