Ao Mestre Com Carinho por Melhor Homenagem

Esse post nem precisa explicar né?

 

PS1: Uma sequência para a TV foi lançada em 1996.

PS2:  Sidney Poitier não ganhou um Oscar por esse filme, mas por Uma Voz nas Sombras (1963). Em 2002, recebeu das mãos de Denzel Washington outra estatueta pela sua contribuição ao mundo cinematográfico.

PS3:  A música foi gravada por Lulu, uma escocesa, que emplacou essa única música nas paradas americanas. No Reino Unido, porém, ela fez um pouquinho mais de sucesso, até porque tinha um programa na Eurovision.  Foi agraciada pela Rainha Elizabeth com a Ordem do Império Britânico, gravou com vários cantores ( de Paul e Elton a Chaka Khan)  e  escreveu hits para outros tantos, como Tina Turner (I don’t want to fight).

PS4:  Mais de 40 anos depois, To Sir With Love continua um clássico. Recentemente, foi gravada pelo elenco de Glee.

Frame: Oscar

Então, vamos falar do Oscar. Só que, mais do apontar os meus favoritos, eu queria relembrar os grandes momentos dessa festa.

Regras do Jogo

1) Qualquer comentário é bem-vindo.

2) Coloquei aqui aqueles que lembro, que vivi e torci. E isso quer dizer que alguns clássicos, como O Poderoso Chefão e E O Vento Levou, não serão citados. (porque eu não sou tão velha assim…)

3) Os vídeos mais antigos foram desativados e você terá que ver no youtube. Como diz a Pink, Please don’t leave me.

4) Os meus critérios são completamente subjetivos. Sim, os seus também podem ser.

BEST PICTURE

Vocês sabem que meu coração pertence a Bastardos Inglórios, mas não acho que esse ano será do Tarantino.

1994, porém, foi um grande ano. Essa categoria foi apresentada por Robert De Niro e Al Pacino (eu sei: OMG! OMG! OMG!) e os concorrentes eram Forrest Gump, 4 Casamentos e 1 Funeral, Pulp Fiction (Melhor Overdose e Dança), Quiz Show e Um Sonho de Liberdade.

E o ganhador é um clássico, daqueles que a gente cita frases até hoje:

Actor in a Leading Role

Meu feeling diz que esse ano será do Jeff Bridges. A minha torcida é pelo Colin Firth (na verdade, eu só não fico feliz se o Jeremy Renner, de Guerra Ao Terror, ganhar. Nada pessoal, mas acho que pode comer um pouco mais de grama antes de levar a estatueta para casa).

Há muito tempo ele não faz um filme bom, mas tudo bem. Depois de Hannibal Lecter, Anthony Hopkins pode tudo.

Eu aposto, porém, que você se lembra do ROBERTO!

  

E ainda, na noite de homenagem ao Sidney Poitier

o Oscar (oh, I Love My Life!) do Denzel.

Actor in a Supporting Role

Dá um aperto no peito pelo Christopher Plummer, mas it’s a Bingooo. Christoph Waltz é o cara!! 

A lista de atores coadjuvantes é impressionante, mas alguém é páreo para o Coringa do Heath Ledger?

And this is for his beautiful Matilda! \o/

 Actress in a Leading Role

 Todo mundo sabe que eu amo a Meryl. E ela passou por todo o estresse pré-premiação 16 vezes e pela frustração de voltar com as mãos abanando 14 vezes.

Meryl darling, I’m sorry. Receio que essas estatísticas vão aumentar, porque eu também estou torcendo para a Sandra.

E o momento? Ah, a Julia né? Adoro Julia, adoro o sorriso, a gargalhada, a veia estourando na testa, adoro o humor, adoro o vestido, love it all!!

Evocando o passado rapidamente, um bocadinho de Audrey (ainda mais por A Princesa e O Plebeu que foi um dos primeiros posts desse blog —->veja aqui.)

Actress in a Supporting Role

Eu não vou escolher a Mo’Nique, porque eu tenho medo dela. So the Oscar goes to… Maggie Gyllenhaal!!

 E escolher uma ex-ganhadora foi difícil. Teve a Jennifer Hudson (porque eu gosto dela, gosto de Dreamgirls e gosto de American Idol),

a Catherine Zeta-Jones (que quase deu a luz na premiação) e

a Penélope.

Animated Feature Film

Eu torço por UP e o adorável Mr. Fredricksen(cuja voz é do Christopher Plummer).

 Essa categoria passou a existir em 2001 somente – tanto é que A Bela e A Fera concorreu a Melhor Filme no passado.

Directing

Tarantino, bóvio!

 E um momento marcante (e idiota, mas conveniente) foi o James Cameron gritando I’m the king of the world!

(E, se ele já se sente o rei do mundo, ele não precisa ganhar agora, certo?)

Writing (Original Screenplay)

Tarantino por Bastardos Inglórios!

 

E quem esquece dessa dupla?

Music (Original Song)

Nine! Nine! Nine!

Essa é uma das categorias que eu mais gosto e costuma nos brindar com apresentações marcantes, como a Madonna nervosa e desafinada com You Must Love (Evita),

um Aerosmith comportado (Armageddon),

a Whitney engolindo a Mariah (O Príncipe do Egito),

e Celine e Andrea Bocelli, cantando a música da animação A Espada Mágica (lembro que a Meryl chorou!! ´É, sim, de tão lindo!!).

Aliás, você pode não gostar dela, mas Celine reina no Oscar. Cantou a música de A Bela e A Fera,

 do Titanic e

de Íntimo e Pessoal.

Nesse ano (1997), ela cantou ainda I Finally Found Someone, de O Espelho Tem Duas Faces. A música é da Barbra, que se recusou a comparecer a cerimônia por não ter sido indicada a melhor atriz. Bafão!!!

Essa é a original, com Barbra e Bryan Adams.

Adooooooooooooooooooooooro!

PS1: Outro bafão, desta vez do ano passado, a Jen Aniston toda sorridente em frente ao Brad.

PS2: Tem o beijão do Adrien Brody na Halle ‘Storm’ Berry.

PS3:  o escândalo do Cuba Gooding Jr.

PS4: E aí?

Invictus por Melhor Tea Time e Melhor Poema

A primeira coisa que você precisa saber é que todos os vídeos desse post, com exceção do trailer, não foram incorporados. Dessa forma, se você não viu o filme nem gosta de spoilers, não terá tentação alguma.

É claro que Invictus  estava destinado ao sucesso – quem ousaria duvidar de um filme com Clint Eastwood na direção e Morgan Freeman e Matt Damon nos papéis principais?

 Só que é mais que isso.

Invictus não é só para quem gosta de cinema e uma história bem contada. É para quem é apaixonado por História, para quem vibrou com a trajetória desse líder rebelde, para quem luta pela liberdade, igualdade e democracia.

Invictus é sobre superação, perdão e reconciliação.

 I was thinking how a man could spend thirty years in prison and come out and forgive the men who did it to him…

Mas Invictus é também para quem é apaixonado por esporte, vibra como hooligan, gosta de heróis.

Do you hear? Listen to your country. 7 Minutes. 7 Minutes. Defense. Defense. Defense. This is it! This is our destiny! 

Invictus é sobre liderança e sobre inspiração. E são elas que fazem aquele chá da tarde tão especial.

We need inspiration because, in order to build our nation, we must all exceed our expectations.

E de onde vem Invictus

Invictus é o nome de um poema, escrito pelo poeta inglês William Ernest Henley.  Não vou te contar a ligação da obra com o filme, mas não posso deixar de dividir o texto:

Out of the night that covers me,
Black as the pit from pole to pole,
I thank whatever gods may be
For my unconquerable soul.

In the fell clutch of circumstance
I have not winced nor cried aloud.
Under the bludgeonings of chance
My head is bloody, but unbowed.

Beyond this place of wrath and tears
Looms but the Horror of the shade,
And yet the menace of the years
Finds and shall find me unafraid.

It matters not how strait the gate,
How charged with punishments the scroll,
I am the master of my fate:
I am the captain of my soul.

PS1: Para mim, o filme foi inspirador e eu já estou louca para ver de novo.

PS2: Esse é o verdadeiro Nelson Mandela, …

….e no filme é dele essa célebre frase: Forgiveness liberates the soul. It removes fear. That is why it is such a powerful weapon.

PS3: Morgan é o produtor executivo do filme e teve vários encontros com Mandela para compor o personagem. Anos antes, o próprio ex-presidente havia confidenciado que Freeman seria a escolha ideal.

PS4: Danny Glover e Sidney Poitier, porém, já interpretaram Mandela em filmes para TV.

PS4: Esse é o verdadeiro François Pienaar

…e essa é uma frase/cena dele que eu adoro:  Everybody takes a beer. A toast … to the taste of defeat. Drink it. Remember it. And promise yourself never to taste it again.

PS5: O prometido trailer: