Lanterna Verde por Melhor Auto Ajuda

Ahn?

Auto Ajuda?

É isso mesmo. E se você é fã dos heróis, provavelmente seus pelos arrepiaram e seus batimentos aceleraram com qualquer associação maluca que eu possa fazer.

Não me mate!

Eu nunca escondi de ninguém que o especialista em Marvel em casa é o meu irmão, que tem uma extensa coleção de gibis e tem a paciência de me explicar “a vida real” a cada novo filme. Eu gosto de uma boa história, mas vou mais atrás mesmo é da diversão.

E isso explica por que eu gostei de Lanterna Verde e fiquei um pouco entediada com Capitão América. Mesmo sem ser 3D, o guardião é muito mais maroto.

Ok, eles poderiam ter explorado um pouco mais a vida do Hal Jordan. Concordo.

Só que aí o protagonista deveria ser outro, porque, convenhamos, esse Hal Jordan a gente já viu em outros filmes: ele tem as mesmas caras e as mesmas piadinhas do Andrew Paxton (A Proposta), Will Hayes (Três Vezes Amor) e Wade Wilson (Wolverine). Todo mundo sabe que o Ryan Reynolds é um ator limitado. Aliás, quem se lembra disso quando ele tira a camisa? Ou mesmo com aquela roupa emborrachada?

 Not me!

 

A cena que eu mais gostei do filme é aquela em que o Sinestro detona o Hal Jordan, aquele humano cheio de medinho. Para mim, soou como um belo discurso auto-ajuda. Esse trecho, infelizmente, não está disponível no youtube, mas não podia deixar de compartilhar o texto:

I fear nothing. Fear is the enemy of will. Will is what makes you take action.  Fear is what stops you and makes you weak. You must ignore your fear. When you’re afraid,  you can’t act. You can’t act, you can’t defend. You don’t defend, you die!

 

PS: Lembra do Ryan Reynolds fazendo o juramento na Comic Con? Adoro essa cena.

 

Anúncios

Três vezes amor por Melhor Coleção

tres-vezes-amor-1

Em Três Vezes Amor, a April, personagem de Isla Fisher, colecionava Jane Eyre. Na verdade, era uma tentativa de reaver a edição que ganhou do pai falecido e que havia se perdido durante uma mudança.

Logo na primeira página, a dedicatória:

The human heart has hidden treasures, In secret kept, in silence sealed; The thoughts, the hopes, the dreams, the pleasures, Whose charms were broken if revealed.

PS1: A Isla Fisher está bem melhor nesse filme do que em Becky Bloom.

PS2: O Kevin Kline como um tiozinho mulherengo rouba a cena (novidade!!).

PS3: A Rachel Weisz está linda de viver. (Novidade!!!)

PS4:  E o Ryan Reynolds, mais uma vez, é o Ryan Reynolds – sempre o mesmo papel e a mesma expressão. Minto! A melhor atuação dele foi em Wolverine, principalmente depois que a boca dele é costurada.

PS5: Tá, eu confesso que adoro esse pedaço porque uma das minhas coleções é de Orgulho e Preconceito. A Livraria Cultura tem uma versão pocket ótima e essa aqui, linda, da Penguin. Edição de colecionador, minha gente!!!