Frame: IMS/RJ

Depois de Paris, San Sebastián, Moscou e Toronto, é a vez do Rio de Janeiro receber a mostra Tutto Fellini, que conta, por meio de 400 itens, a trajetória e os bastidores dos filmes criados pelo diretor italiano.

A exposição está em cartaz no Instituto Moreira Salles e recebe, pelo menos no dia em que visitei,  poucos visitantes. Um desperdício! Federico era divertido e inspirador.

Aos 19 anos, deixou Rimini com destino a Roma, certamente uma das suas grandes paixões. Iniciou a carreira como caricaturista, passando a colaborar para roteiros de cinema na década de 40. Foi Roberto Rosselini quem o puxou para sers seu assistente de direção em Roma, Cidade Aberta (1945). Três anos depois, ele seria o protagonista de outro filme (L’Amore) do amigo, baseado em um conto russo que o próprio Fellini inventou.

Os brothers, quer dizer, fratelli Fellini e Rossellini

Em 1950, Fefé assumiria o comando de uma série de clássicos, incluindo, é claro, A Doce Vida, tema deste blog ontem (clique aqui).

Embora Fellini tenha conseguido reconhecimento internacional com A Estrada da Vida, vencedor do Oscar de 1954, Roma de Fellini é um dos filmes que mais chama a minha atenção. Na exposição, descobre-se, por exemplo, que a prostituta do poster, com seus seios fartos, reprsentam a criação de Roma e a lenda da loba que alimenta os gêmeos Rômulo e Remo.

 

Ao longo da mostra, conhece-se também um pouco mais sobre a personalidade de Fellini:

“Acho que o estúdio é o lugar em que as imagens que vimos em imaginação podem ser realizadas, com controle de tudo, exatamente como faz um pintor com seu pincel sobre a tela

Não sei olhar para as coisas com distanciamento. Através da câmera, por exemplo. Não quero nem saber da lente objetiva. Tenho que estar no meio das coisas. Tenho necessidade de conhecer tudo sobre todos, de fazer amor com tudo que está ao meu redor”

Minha relação com a música é de defesa. Eu tenho a sensação de que a música estabelece uma comunicação misteriosa que se apossa de você quase totalmente. Então, para afirmar minha autonomia, eu a recuso

“A prostituta é o contraponto essencial da mãe italiana. Não se pode conceber uma sem a outra. E assim como a nossa ãe nos alimentou e vestiu, assim também – e falo por minha geração – a prostituta nos iniciou na vida sexual”


A relação com Marcello Mastroianni, que participou de vários filmes e chegou a interpretar Fellini nas telonas, também é bem explorada na mostra.

Em Tutto Fellini, a incursão do diretor italiano no mundo publicitário é citado bem en passant. Salve o Youtube e seus usuários que permitem o resgate dessas jóias – como o comercial para a Campari

…e Barilla (meu preferido!!! Rigatone!!!), ambos em 1985…

…e último, em 1992, um ano antes da sua morte, para Banca di Roma.

 

Fellini morreu em 1993, em Roma, onde morava com a esposa, Giulietta Masina, uma das suas musas. Ela faleceu meses depois.

PS:  O Instituto Moreira Salles fica  na Rua Marquês de São Vicente 476, na Gávea. A entrada é gratuita. O espaço é uma atração à parte, principalmente o painel de Burle Marx. Não deixe de ver!

Um gostinho do painel de Burle Marx, no IMS

PS2: Pensando na Copa/Olimpíadas e em atrair mais visitantes, o IMS poderia inserir em seu site mais orientações sobre como chegar ao local, que é bem fora de mão. Google Maps, indicações de linhas de ônibus, taxi na porta, tudo isso ajuda a atrair turistas. A lojinha do espaço também poderia ser mais bem trabalhada. Quem não curte um souvenir? E um souvenir que caiba nos mais diferentes bolsos? Já adianto: cartão-postal a R$3, por exemplo, não dá. Só uma louca por Fellini e Roma compraria. o/

PS3: Alô, paulistas! Tutto Fellini chega a SP em julho. Fiquem ligados!

PS4: Amanhã tem mais um pouquinho de Fellini. Aguarde!

PS5: Aproveite o embalo e veja nosso post com 10 comerciais feitos por diretores de cinema.

Ranking: 10 filmes do Sundance Film Festival

Confira os filmes que estão “causando”, segundo Richard Lawson.

10. The Future

Miranda July (já retratada nesse post) cria, dessa vez, a história de um casal unido por um gato, o verdadeiro narrador dessa história.

9. Homework

Alicia Silverstone renasce das cinzas, ao lado da Sra Tom Hanks (Rita Wilson),  do gatíssimo Blair Underwood e da sobrinha da Julia (Emma Roberts), em um filme que trata da vida de um adolescente que aprende um pouco mais sobre essa vida quando conhece “a mulher dos seus sonhos”.

8. Salvation Boulevard

Comédia sobre um ex-hippie que tem que ir para o limbo após decidirem que ele não é tão santo quanto o resto da igreja. Elenco, no mínimo, interessante: Jennifer Connelly, Marisa Tomei, Greg KinnearPierce Brosnan.

7. Martha Marcy May Marlene

Elizabeth Olsen (mais uma?) protagoniza a história da jovem que tenta reconstruir sua vida após fugir de um culto nebuloso.

6. The Ledge

E a religião é, de novo, mote de um filme, que tem outra fênix no elenco, Liv Tyler.  O  thriller mostra a violência desencadeada por um argumento apresentado por ateu a um cristão conservador.

5. Life in a Day

Imagine um filme feito a partir de fragmentos enviados por pessoas de várias partes do mundo.  A proposta? Eles deveriam mostrar o que estavam fazendo em 24 julho de 2010. A colcha de retalhos foi costurada pelos diretores Kevin MacDonald e Ridley Scott e estreia hoje (27/01) em Sundance, com transmissão ao vivo no youtube.

4. Red State

Não sei se é o fim do mundo, mas a religião é também tema de um  filme de terror, liderado por Kevin Smith, sobre  um grupo de pessoas que se vê frente a frente com o fundamentalismo extremo.

3. Higher Ground

Nhé! Vera Farmiga dirige e protagoniza o drama de uma mulher que dedica 20 anos da sua vida ao fundamentalismo. Um dia ela ela decide partir… to infinity and beyond! Ok, ok. Foco.

2. Page One

Documentário feito a partir da experiência de Andrew Rossi em um departamento do  New York Times. Nas palavras de Richard  Lawson, “Should be thrilling for media nerds everywhere“.

1. Margin Call

A crise financeira de 2008  é revisitada nesse thriller liderado Kevin Spacey (Que prazer rever você!!) .  Demi Moore, Mary McDonnell e o incansável Stanley Tucci também integram o elenco.

Sinfonia em Paris por Melhor Decoração e Melhor Aula

Seu apartamento é compacto? Não sabe como acomodar todos os seus móveis? Aprenda com Gene Kelly.

(Eu sei, o vídeo não pode ser incorporado. Mas, confie em mim, veja no youtube, vale a pena!)

O cara era também o professor dos sonhos.

Massachusetts!  I got!  Who can ask for anything more?

 

PS1:  Sinfonia em Paris é outro filme de Vincente Minelli.

PS2: A obra não foi filmada na França mas em Hollywood, onde foram construídos  44 cenários diferentes. Somente duas tomadas foram feitas em Paris – nenhuma delas com Gene Kelly.

PS3:  O filme, sobretudo, é para quem gosta de dança, já que uma das mais celebradas cenas é um balé de 18 minutos.

PS4: Entre os problemas enfrentados durante a filmagem estavam as escapadas de Minelli, cuja mulher, Judy Garland, protagonizava memoráveis escândalos.

PS5: Sinfonia em Paris arrematou seis Oscars – incluindo melhor filme, roteiro e trilha sonora.

PS6: Mais Gene Kelly aqui.

Frame: Oscar

Então, vamos falar do Oscar. Só que, mais do apontar os meus favoritos, eu queria relembrar os grandes momentos dessa festa.

Regras do Jogo

1) Qualquer comentário é bem-vindo.

2) Coloquei aqui aqueles que lembro, que vivi e torci. E isso quer dizer que alguns clássicos, como O Poderoso Chefão e E O Vento Levou, não serão citados. (porque eu não sou tão velha assim…)

3) Os vídeos mais antigos foram desativados e você terá que ver no youtube. Como diz a Pink, Please don’t leave me.

4) Os meus critérios são completamente subjetivos. Sim, os seus também podem ser.

BEST PICTURE

Vocês sabem que meu coração pertence a Bastardos Inglórios, mas não acho que esse ano será do Tarantino.

1994, porém, foi um grande ano. Essa categoria foi apresentada por Robert De Niro e Al Pacino (eu sei: OMG! OMG! OMG!) e os concorrentes eram Forrest Gump, 4 Casamentos e 1 Funeral, Pulp Fiction (Melhor Overdose e Dança), Quiz Show e Um Sonho de Liberdade.

E o ganhador é um clássico, daqueles que a gente cita frases até hoje:

Actor in a Leading Role

Meu feeling diz que esse ano será do Jeff Bridges. A minha torcida é pelo Colin Firth (na verdade, eu só não fico feliz se o Jeremy Renner, de Guerra Ao Terror, ganhar. Nada pessoal, mas acho que pode comer um pouco mais de grama antes de levar a estatueta para casa).

Há muito tempo ele não faz um filme bom, mas tudo bem. Depois de Hannibal Lecter, Anthony Hopkins pode tudo.

Eu aposto, porém, que você se lembra do ROBERTO!

  

E ainda, na noite de homenagem ao Sidney Poitier

o Oscar (oh, I Love My Life!) do Denzel.

Actor in a Supporting Role

Dá um aperto no peito pelo Christopher Plummer, mas it’s a Bingooo. Christoph Waltz é o cara!! 

A lista de atores coadjuvantes é impressionante, mas alguém é páreo para o Coringa do Heath Ledger?

And this is for his beautiful Matilda! \o/

 Actress in a Leading Role

 Todo mundo sabe que eu amo a Meryl. E ela passou por todo o estresse pré-premiação 16 vezes e pela frustração de voltar com as mãos abanando 14 vezes.

Meryl darling, I’m sorry. Receio que essas estatísticas vão aumentar, porque eu também estou torcendo para a Sandra.

E o momento? Ah, a Julia né? Adoro Julia, adoro o sorriso, a gargalhada, a veia estourando na testa, adoro o humor, adoro o vestido, love it all!!

Evocando o passado rapidamente, um bocadinho de Audrey (ainda mais por A Princesa e O Plebeu que foi um dos primeiros posts desse blog —->veja aqui.)

Actress in a Supporting Role

Eu não vou escolher a Mo’Nique, porque eu tenho medo dela. So the Oscar goes to… Maggie Gyllenhaal!!

 E escolher uma ex-ganhadora foi difícil. Teve a Jennifer Hudson (porque eu gosto dela, gosto de Dreamgirls e gosto de American Idol),

a Catherine Zeta-Jones (que quase deu a luz na premiação) e

a Penélope.

Animated Feature Film

Eu torço por UP e o adorável Mr. Fredricksen(cuja voz é do Christopher Plummer).

 Essa categoria passou a existir em 2001 somente – tanto é que A Bela e A Fera concorreu a Melhor Filme no passado.

Directing

Tarantino, bóvio!

 E um momento marcante (e idiota, mas conveniente) foi o James Cameron gritando I’m the king of the world!

(E, se ele já se sente o rei do mundo, ele não precisa ganhar agora, certo?)

Writing (Original Screenplay)

Tarantino por Bastardos Inglórios!

 

E quem esquece dessa dupla?

Music (Original Song)

Nine! Nine! Nine!

Essa é uma das categorias que eu mais gosto e costuma nos brindar com apresentações marcantes, como a Madonna nervosa e desafinada com You Must Love (Evita),

um Aerosmith comportado (Armageddon),

a Whitney engolindo a Mariah (O Príncipe do Egito),

e Celine e Andrea Bocelli, cantando a música da animação A Espada Mágica (lembro que a Meryl chorou!! ´É, sim, de tão lindo!!).

Aliás, você pode não gostar dela, mas Celine reina no Oscar. Cantou a música de A Bela e A Fera,

 do Titanic e

de Íntimo e Pessoal.

Nesse ano (1997), ela cantou ainda I Finally Found Someone, de O Espelho Tem Duas Faces. A música é da Barbra, que se recusou a comparecer a cerimônia por não ter sido indicada a melhor atriz. Bafão!!!

Essa é a original, com Barbra e Bryan Adams.

Adooooooooooooooooooooooro!

PS1: Outro bafão, desta vez do ano passado, a Jen Aniston toda sorridente em frente ao Brad.

PS2: Tem o beijão do Adrien Brody na Halle ‘Storm’ Berry.

PS3:  o escândalo do Cuba Gooding Jr.

PS4: E aí?

Gran Torino por Melhor Auto-estima

Um dia eu vou sair do meu carro, olhar para um bando de palhaços e dizer:

Ever notice how you come across somebody once in a while that you shouldn’t have fucked with? It’s me.

PS1: Fala sério! Eu não sei como Gran Torino tinha passado despercebido.

PS2: Talvez você encontre uma categoria melhor para encaixar o filme. Como eu tenho a força (sic), decidi que nada supera a auto-estima de Walt. Para você, ele pode ser simplesmente ranzinza; para mim, ele é um cara que confia no seu potencial, conhece suas dores e sabe dos seus limites. Faz somente o que quer, ainda que isso aborreça os outros ou o próprio filho.

Mais: ele é didático e direto, como um bom amigo. Esse diálogo, que não existe no Youtube, é a prova:

Walt: Relax, zipperhead. I’m not gonna shoot you. I’d look down too, if I was you. You know, I knew you were a dipshit the first time I ever saw you, but I never thought you were worse with women than you are at stealing cars… Toad.
Thao: It’s Thao.
Walt: What?
Thao: It’s not Toad, it’s Thao. My name is Thao.
Walt: Yeah, well, you were blowing it with that girl who was there. Not that I give two shits about a toad like you.
Thao: You don’t know what you’re talking about.
Walt : You’re wrong, eggroll, I know exactly what I’m talking about. I may not be the most pleasant person to be around, but I got the best woman who was ever on this planet to marry me. I worked at it, it was the best thing ever happened to me. But you, you know, you’re letting Click-Clack, Ding-Dong and Charlie Chan just walk out with Miss What’s-her-face. She likes you, you know? Though I don’t know why!
Thao: Who?
Walt : Yum Yum. You know, the girl in the purple sweater. She’s been looking at you all day, stupid!
Thao: You mean Youa?
Walt : Yeah… Yum Yum… yeah… nice girl… nice girl, very charming girl… I talked with her… yeah. But you, you just let her walk out right out with the Three Stooges. And you know why? ‘Cause you’re a big fat pussy. Well, I gotta go. Good day, pussycake.

PS3: Um salve para a Daisy! Foooooooooofa!

PS4: O Thao era meio fraquinho e não é só porque o Clint brilha. Isso fica bem claro na cena em que ele fica trancado no porão. Eu gritaria melhor WALT! WALT! que ele. Modéstia a parte. Claro.

 

Bastardos Inglórios por Melhor Personagem

Logo nos primeiros minutos,  quando o oficial nazista Hans Landa chega à fazenda dos Dreyfus no interior da França, você sente que Bastardos Inglórios  vai entrar para a história …  

… e que o personagem de Christoph Waltz também.

Quem é Christoph Waltz? No fucking idea. Até então. Até conhecer o coronel Landa e toda a sua crueldade, cinismo, inteligência e até senso de humor.

Ele apaga o Brad Pitt, que também não fez feio (é importante frisar).

Portanto, caros leitores, juntem-se a mim: vamos começar hoje nossa campanha para Christoph Waltz como melhor ator no Oscar e Globo de Ouro. Porque no circuito indie e underground (sic) o Coronel Landa já está imortalizado.

PS1: Perdoem o incômodo, mas a incorporação do primeiro vídeo foi desativada e por isso você terá que ver diretamente no Youtube. Vale a pena, eu prometo.

PS2: Quer conhecer o currículo do Christoph? Veja no IMDB.

PS3: O site do Bastardos Inglórios é bem bonitinho. Pena que é pesado e não funciona direito. 😦

PS4: Vale entrar no original.

PS4: Ainda não viu Bastardos Inglórios? Loser!

 

A Bela e a Fera por Melhor Encontro

a-bela-e-a-fera

Boa música, dança, velas, luar… que mais alguém pode querer? Best Date Ever!!!

PS1: Eu odeio filme dublado, mas quem quiser ver essa cena em português pode clicar aqui.

PS2: A Bela e a Fera ganhou 2 Oscar em 1992.

PS3: A Mrs Potts é um dos meus personagens favoritos e a versão dela para Beauty and The Beast é bem melhor melhor que a de Celine Dion e Peabo Bryson. A voz, na verdade, é de Angela Lansbury, que fez vários filmes (e por eles ganhou 3 indicações ao Oscar) e outras animações como Anastasia (ela era a avó da Meg Ryan, if you know what I mean). Veja que velhinha linda ela é:

PS4: Enquanto a  Paige O’ Hara, que faz a voz da Bela, só tem Disney no seu currículo, Robby Benson, a Fera, já dirigiu várias séries, incluindo episódios da terceira temporada de Friends como The One With Hypnosis Tape (You’re a strong and confident woman).

PS5: Momento veneno? O vídeo de Beauty and The Beast mostra que ter dinheiro faz diferença. Veja no Youtube como a Celine Dion soube  empregá-lo e multiplicá-lo.

 PS6: O Smelly Cat cria polêmica: a Bela foi a primeira a dar o golpe do baú?