Os Vingadores por Melhor Luta

Não há um ser humano no mundo capaz de falar mal dos Vingadores. Há divergências, porém, sobre quem é o melhor super herói.

Quando o filme estreou, muita gente se encantou com o Hulk, porque, é fato, Mark Ruffalo colocou Eric Bana e até Edward Norton no chinelo.

Esse blog também reconhece os méritos da Viúva Negra de ScarJosempre linda e sexy (maldita!), e do Gavião Arqueiro de Jeremy Renner.

No entanto, nada, caros cinéfilos, absolutamente nada se compara ao duelo de Thor e o Homem de Ferro – definitivamente os dois mais bonitos e mais fortes do pedaço.

PS: O meu preferido? Bem, se meu coração não pertencesse eternamente ao RDJ aka #1, ele certamente seria do Thor. E o seu?

Anúncios

Entrando Numa Fria Maior Ainda com a Família por Melhor Luta

É tão idiota que é bom, mesmo com um vídeo com qualidade tão ruim. (Desculpem-nos por isso).

PS: Little Fockers, nome original,  é o terceiro filme em que Greg (Ben Stiller) aguenta as neuroses e desconfianças do sogro Jack (Robert De Niro).

PS2: No primeiro filme, Greg é apresentado aos sogros. Entrando Numa Fria foi indicado a Melhor Nome aqui no blog – veja aqui.

PS3: No segundo filme, Entrando Numa Fria Ainda Maior, os pais de Greg entram em cena e, embora Barbra Streisand e Dustin Hoffman estejam impagáveis, quem chama atenção é um garotinho. Veja aqui.

PS4: De Niro brincou ao receber um Golden Globe em reconhecimento pela sua carreira: “I was very, very moved and gratified when you made the announcement two months ago, well before you had a chance to review Little Fockers.” 

PS5: A Jessica Alba chamou tanto a atenção que Harvey Keitel e Laura Dern quase passaram despercebidos.

  

Gato de Botas por Melhor Sotaque e Melhor Luta

Verrry Well, Banderas. Vamos animar esta segunda-feira, com seu sotaque e dançaluta.

Scott Pilgrim Contra o Mundo por Melhor Idiota, Melhor Luta e Melhor Amigo Gay

Michael Cera (Juno, 2007) é o idiota da vez e faz o trabalho com perfeição, sem fazer esforço. A entrevista dele na última Rolling Stone mostra isso, um típico garoto mesmo,  sem grandes ambições, sem muita maturidade, meio avoado, mas que parece ter um bom caráter e, é por tudo isso, que ele  ganhou as graças dos estúdios e dos fãs. Ouso associar seu carisma e a empatia que gera no público com a mesma do Bob Esponja com as crianças. Ele é non sense, ele é meio bobalhão, ele não se esforça para ser assim e, por isso, todo mundo gosta. E Michael é um desses idiotas que a gente gosta no papel de Scott Pilgrim.

Scott Pilgrim contra o Mundo (2010) chegou tímido as telonas brasileiras. Em são Paulo só duas salas Cinemark, nos Shoppings Santa Cruz e Shopping D em horários difíceis nos dois shoppings sempre mega lotados (O problema não é muita gente. O problema é muita gente feia). Não é nenhum blockbuster, não creio que tenha a pretensão de ser, adaptado de um comic book do mesmo nome. E está tudo ali, cada quadrinho, fala, as referências ao universo pop das últimas décadas, de videogames ao seriado Seinfield.

Não sou fanático pelo comic, mas gostei da adaptação para o cinema, das onomatopéias visíveis voando nas cenas, do início com o logo da universal feito em 8bits lembrando meu antigo Snes.  As referências aos jogos de luta de videogames da década de 80/90 (Mortal Kombat e Street Fighter) ficaram melhores ainda na telona. Em alguns momentos, você não está mais assitindo a um filme e sim parece estar assistindo a uma partida de Street Fighter. E isso é nostálgico e bacana. Outro ponto a ser destacado são as músicas e a volta do irmão cara de louco do Macaulay Culkin, Kieran Culkin como o melhor amigo gay do Scott. Um dos melhores e mais legais amigos gays do cinema, sem exageros, sem  estereótipos.

Não espere um grande roteiro #fail. A narrativa cansa em alguns pontos e você tem a sensação de que o filme dura mais que as tradicionais 2 horas. E a história bizarra de 7 ex namorados do mal que chegam para aniquilar Scott Pilgrim não chega a se super empolgante na telona. Mas as cenas de luta são bem legais e me fez querer ver como esse jovem ator vai crescer e  se comportar em outros papéis menos idiotas.

Abs,

Filipe Alberto