Uma Verdade Incoveniente por Melhor Explicação

an-inconvenient-truth-al-gore-poster1

O papo é sério, mas pode ser explicado de uma forma bem divertida.

RED por Melhor Explicação

 

Com a Lady Helen Mirren não tem bla bla bla. É Curto e Grosso.

Joe: Sarah,  this is Victoria, best led work asset in the business. A full artist with an RPN.

Sarah: What’s, what’s that? 

Victoria: I kill people,  dear.

PS1: Eu gosto de RED e não sei qual parte é mais divertida: ter o cacife de Helen Mirren, John Malkovich, Bruce Willis e Morgan Freeman e fazer um filme despretensioso e idiota como esse ou ainda, mesmo aposentado, ter prazer na sua profissão. That’s the beauty of it!

PS2: Para quem ainda não viu, um petisco:

PS3: Post dedicado ao GG.

Sideways por Melhor Ataque Nervoso e Melhor Explicação

É impossível assistir Sideways e não morrer de vontade de tomar uma taça de vinho – ainda mais para quem aprecia o motivo dado pelo Miles…

Uhmm, I don’t know, I don’t know. It’s a hard grape to grow, as you know. Right? It’s, it’s thin-skinned, temperamental, ripens early. It’s, you know, it’s not a survivor like Cabernet, which can just grow anywhere and uh, thrive even when it’s neglected. No, Pinot needs constant care and attention. You know? And in fact it can only grow in these really specific, little, tucked away corners of the world. And, and only the most patient and nurturing of growers can do it, really. Only somebody who really takes the time to understand Pinot’s potential can then coax it into its fullest expression. Then, I mean, oh its flavors, they’re just the most haunting and brilliant and thrilling and subtle and… ancient on the planet.

… ou o da Maya:

I like to think about the life of wine. How it’s a living thing. I like to think about what was going on the year the grapes were growing; how the sun was shining; if it rained. I like to think about all the people who tended and picked the grapes. And if it’s an old wine, how many of them must be dead by now. I like how wine continues to evolve, like if I opened a bottle of wine today it would taste different than if I’d opened it on any other day, because a bottle of wine is actually alive. And it’s constantly evolving and gaining complexity. That is, until it peaks, like your ’61. And then it begins its steady, inevitable decline.

Nada se compara, porém, aos ataques do Miles  e o melhor deles, que me faz ter crise de riso quando vou escolher um vinho no supermercado, é definitivamente esse:

Cheers!

Eu sou a Lenda por Melhor Explicação

O quê? Você não sabe quem é Bob Marley? O  Will te explica:

He had this idea. It was kind of a virologist idea. He believed that you could cure racism and hate… literally cure it, by injecting music and love into people’s lives. When he was scheduled to perform at a peace rally, a gunman came to his house and shot him down. Two days later he walked out on that stage and sang. When they asked him why – He said, “The people, who were trying to make this world worse are not taking a day off. How can I? Light up the darkness.

 

PS1:  Não que eu esteja contando, mas a Alice Braga teve mais diálogos em Hollywood do que o Rodrigão, que se aventura há mais tempo na Terra do Tio Sam

Badaladinha, ela já foi até eleita pela Vanity Fair como uma das atrizes mais promissoras da nova geração.

PS2: Em 2011, Alice deve ser vista em The Rite, ao lado de Anthony Hopkins, …

… e em On The Road, do Waltinho, baseado no livro de Jack Kerouac e com um elenco formado por Kristen Stewart, Kirsten Dunst, Amy Adams, Viggo Mortensen, entre outros. Tá bom ou quer mais?

PS3: Enquanto isso, a Tia Sonia, por quem Alice não morre de amores, fez uma participação bem decente em Brothers&Sisters (eu fiquei meio traumatizada com Sex and The City)….

…e em As Cariocas, ao lado do Fagundes.

Na Teia da Aranha por Melhor Policial e Melhor Explicação

A TV fechada rende boas surpresas eventualmente. Ontem, por exemplo, revi,  sem querer, Na Teia da Aranha no Telecine Action.  Eu lembrava pouca coisa desse thriller psicológico (bonito isso né?) lançado em 2001 e simplesmente não consegui mudar de canal até chegar ao fim do filme.

É claro que o meu cerebrozinho idiota ficou borbulhando de ideias, mas a principal delas é que o Morgan Freeman Alex Cross é muito, mas muito melhor que qualquer CSI e Law and Order da vida.

Esse  é o segundo suspense do detetive interpretado por Morgan Freeman. A primeira aparição dele é em Beijos que Matam, também muito bom.

Em Na Teia da Aranha, Alex Cross está fragilizado pela morte de sua parceira, o que não o impede de desvendar o crime como quem brinca com o jogo dos 7 erros.

E tem mais: psicólogo tarimbado, ele ainda dá conselhos sobre carreira. Quando a agente do Serviço Secreto Jezzie Flannigan diz que deveria procurar outro emprego, menos desafiador, Dr Cross responde:

Alex: You do what you are Jezzie.
Jezzie: You mean you are what you do.
Alex: No, I mean, you do what you are. You’re born with a gift. If not that, then you get good at something along the way. And what you’re good at, you don’t take for granted. You don’t betray it.
Jezzie: What if you do, betray your gift?
Alex: Then you betray yourself. That’s a sad thing.

PS1: Aliás, sabe quem é a Jezzie? A Monica Potter, a Kristina, de Parenthood.

PS2:  Outro ator que interpreta um agente do Serviço Secreto é Billy Burke, também conhecido como Chief Swan, pai da Bella, da saga Twilight.

PS3: Você não se lembra de Beijos que Matam? Veja o trailer então:

PS4: Se você também achou que Alex Cross poderia ser o detetive de Se7en, enganou-se. O parceiro de Brad Pitt era William Somerset.

PS5: Alex Cross é o personagem de uma série escrita por James Patterson.

Mary & Max por Melhor Explicação

A animação em stop motion Mary & Max não é para crianças. Trata de assuntos modernos como depressão, loucura e principalmente solidão. E como é impossível viver só.

Não vá ao cinema esperando ficar mais feliz após o filme. Isso não é o Shrek. Apesar de alguns clichês esperados para um filme que trata desse assunto, destaca-se o humor sarcástico, sincero e ácido, a arte de rir da própria desgraça. 

O que eu mais gosto no filme são as explicações simples e sinceras de Max para as perguntas da Mary:

“Where do babies come from in America? Do they come from Cola cans?”

Melhor explicação:

“Unfortunately, in America, babies are not found in cola cans. I asked my mother when I was four and she said they came from eggs laid by rabbis. If you aren’t Jewish, they’re laid by Catholic nuns. If you’re an atheist, they’re laid by dirty, lonely prostitutes.”

Também tem uma ótima trilha sonora em momentos cruciais da trama. O cena abaixo com certeza não é a melhor, nem o melhor momento, mas impressiona pela escolha da música no contexto. E é um maldito SPOILER, então só clique se estiver realmente curioso.

Assinado,

Abelardo Barbosa.

PS1: O Abelardo é meu amigo e já assinou outros posts que fizeram muito sucesso aqui.  O nome e personalidade on e offline dele divergem, mas ainda sim é boa pessoa e chora quando vê o Nascimento de Vênus, de Botticelli.

PS2: A voz de Max é de Philip Seymour Hoffman e a de Mary, de Toni Collette. Eric Bana empresta sua voz para Damien

Amor e Outros Desastres por Melhor Explicação

Eu não sei qual é a melhor explicação: a da melhor amiga para o amor…

Stop living your life like you’re in some kind of movie. (…) Stop trying to cast your love instead of just meeting him. (…)  Love isn’t always a lightning bolt, you know? Maybe sometimes it’s just a choice. (…)  I don’t know that Paolo’s the love of my life, but I’ve decided to give him the chance to be. Maybe true love is a decision. You know, a decision to take a chance with somebody. To give to somebody. Without worrying wether they’ll give anything back. Or if they’re gonna hurt you, or if they really are the one. Maybe love isn’t something that happens to you. Maybe it’s something you have to choose.

… ou a da terapeuta para relacionamento.

The stages of a relationship can be defined by farting. Stage one is the conspiracy of silence. This is a fantasy period where both parties pretend that they have no bodily waste. This illusion is very quickly shattered by that first shy, “Ooh, did you fart,” followed by the sheepish admission of truth. This heralds a period of deeper intimacy. A period I like to call the “Fart Honeymoon”, where both parties find each other’s gas just the cutest thing in the world. But, of course, no honeymoon can last forever. And so we reach the critical fork in the fart. Either the fart loses its power to amuse and embarrass thereby signifying true love, or else it begins to annoy and disgust, thereby symbolizing all that is blocked and rancid in the formerly beloved. Do you see what I’m getting at?

PS1: A Brittany Murphy, que fez  As Patricinhas de Beverly Hills, estava  cada dia mais bonita. Faleceu hoje, 20/12, aparentemente de parada cardíaca.  

ps2: Eu adoro o Matthew Rhys, também conhecido com Kevin, de B&S. Ele é o meu Walker preferido.